coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Preço do tomate começa a cair em SP

O IPC-Fipe, que mede a evolução dos preços na capital, registrou queda de 7,24% do item na 1ª semana de maio

Maria Regina Silva, da Agência Estado,

09 de maio de 2013 | 14h05

A queda do preço do tomate no atacado já é sentida no bolso do consumidor. Ao menos na capital paulista. Maior vilão da inflação deste ano, o valor médio da fruta, que chegou a subir mais de 30%, passou a cair no varejo. De acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), que mede a inflação na cidade de São Paulo, o preço do tomate teve retração de 7,24% na primeira quadrissemana de maio, após elevação de 8,01% no fechamento do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de abril. O indicador, por sua vez, registrou taxa de inflação de 0,31% na primeira leitura deste mês.

No IPC-Fipe, o tomate saiu da lista das principais altas e passou para o grupo das quedas mais representativas, contou o coordenador do indicador, Rafael Costa Lima. "Na ponta (pesquisas semanais) a queda é de 27%. O preço do tomate está realmente se reequilibrando", disse.

A redução no valor médio do tomate permitiu uma deflação de 0,87% nos legumes e, consequentemente, levou a uma menor variação dos produtos in natura na primeira quadrissemana de maio, para 1,83%, ante 3,36% do final de abril, segundo a Fipe. "A principal mudança (no grupo Alimentação) foi observada nos legumes (de alta de 6,08% para queda de 0,87%). Isso é (efeito) do ''nosso amigo'' tomate, mas os in natura não pararam de pressionar por completo a inflação e os semielaborados estão perdendo o ímpeto da queda", avaliou, dando como exemplo as altas da batata (11,09%) e do feijão (8,09%).

O grupo Alimentação, que subiu 0,15% na primeira leitura do mês, contou com a elevação dos industrializados (0,12%) e recuo nos semielaborados (1,29%). Neste último, o economista destacou a queda menos intensa das carnes bovinas, que passaram de declínio de 3,80% para baixa de 2,48%. "Em 12 meses até abril, a alta é de apenas 0,18%. Aparentemente, não tem mais espaço para cair", afirmou Costa Lima.

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIPC-Fipetomate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.