Preço dos alimentos ainda pode subir

O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), José Humberto Pires de Araújo, acredita que os preços no varejo devam subir ainda na primeira quinzena de setembro. "Haverá um repasse dos reajustes ocorridos em julho e agosto", afirmou. Na segunda quinzena do mês, o quadro será mais favorável, devido às vendas dos fornecedores para os supermercados, para cumprimento das cotas anuais.Para o último trimestre do ano, a previsão é de que os preços no varejo e os índices de inflação caiam. No entanto, Araújo avalia que a meta de inflação - de 6% com intervalo de variação de dois pontos porcentuais - para este ano, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA), pode ficar acima de 7%. Apesar de prever crescimento de 2% nas vendas, em relação ao ano passado, Araújo não acredita que isso represente uma pressão inflacionária.Maiores altasEntre os produtos agrícolas que mais pressionaram a inflação nos últimos dois meses, ele acredita que os derivados da cana-de-açúcar continuarão a ter influência nos índices. Já para o trigo, cuja importação responde por 80% do consumo interno, a previsão é de queda dos preços internacionais a partir de outubro. O milho, outro produto que pressionou a inflação recentemente, já está com uma tendência de estabilidade. Carne, leite, frango e suínos ajudarão na estabilidade da inflação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.