Preço dos combustíveis pressiona inflação em São Paulo

A taxa média de inflação na cidade de São Paulo em setembro subiu 0,72%, segundo o Índice do Custo de Vida (ICV) calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Em agosto, os preços tiveram variação nula e, segundo a coordenadora do índice, Cornélia Nogueira Porto, a taxa dos meses em setembro é a maior observada nos últimos três meses - em junho e julho, o índice ficou em 0,17%.As maiores altas foram as dos preços públicos e administrados, como água e esgoto e combustíveis. O grupo Transportes subiu 1,82%, com elevação da gasolina de 4,41%; do álcool, de 3,77%, e do óleo diesel, de 6,05%.De acordo com Cornélia, o ICV captou o aumento dos combustíveis a partir das segunda quinzena de setembro. "Isto significa que ficarão ainda resíduos para o mês de outubro", explicou. No grupo Habitação, com alta de 1,15%, a maior pressão veio da tarifa de água e esgoto (8,94%). Ontem, a Ordem dos Economistas do Brasil informou que a inflação média na cidade de São Paulo em setembro para as famílias com renda mensal entre 10 e 40 salários mínimos foi de 0,55%, segundo o Índice de Custo de Vida da Classe Média (ICVM). Em agosto, o índice tinha mostrado uma redução média de 0,15%. Com o resultado de setembro, o ICVM passou a acumular no ano uma alta de 2,12% e em 12 meses, variação de 4,40%.Faixas de rendaA composição da taxa de inflação na capital paulista atingiu igualmente as diferentes faixas de renda, segundo ressaltou Cornélia. Para as famílias com estrato 1, com renda mensal média de R$ 377,49, a inflação foi de 0,70%. Para a renda intermediária, de R$ 934,17, a taxa de inflação foi de 0,71% e para os mais ricos, com renda mensal média de R$ 2.792,90, o ICV foi de 0,74%, ou 0,02 ponto porcentual acima do índice pleno.PerspectivasA inflação na cidade de São Paulo deverá recuar em outubro para 0,40%, prevê a coordenadora do índice. A justificativa para esta desaceleração, de acordo com a economista do Dieese, ficará por conta do fim do impacto do reajuste da tarifa de água e esgoto na composição do índice. No ano, o ICV deverá acumular uma taxa média de inflação de 5%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.