finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Preço dos imóveis em São Paulo está muito perto do topo

Leia mais. Blog 'No Azul' de finanças pessoais

FÁBIO GALLO É PROFESSOR , DE FINANÇAS DA FGV, DA PUC-SP, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2011 | 03h04

Possuo um apartamento que vale R$ 660 mil (sem comissão do corretor, em caso de venda). Pretendo adquirir outro apartamento com valor que fique entre R$ 850 mil e R$ 900 mil. Tenho R$100 mil aplicados na poupança. As aplicações na poupança têm rendimentos muito inferiores à valorização dos imóveis ultimamente. Se continuar fazendo aplicações na caderneta, ficará cada vez mais difícil trocar de imóvel, dado que a diferença entre o que possuo e o valor dos imóveis vão aumentar bastante. Enfim, na sua opinião, mesmo que o meu apartamento continue se valorizando, será melhor continuar poupando ou financiar a pequena parte?

A decisão de trocar de imóvel usualmente envolve vários aspectos diferentes e muitos são de caráter pessoal e sentimental. Na perspectiva financeira, nossa leitora tem razão sobre a subida de preços dos imóveis, mas deve perceber que os preços já estão muito altos e não devem continuar com crescimento acelerado. O Secovi aponta que as vendas de imóveis acumuladas caíram em torno de 24% e os apartamentos que estão vendendo mais são os menores. Caso ela resolva trocar o apartamento de imediato tendo como base os valores mencionados, ela terá que financiar entre R$ 90 e R$ 140 mil. Considerando este financiamento por 10 anos, deverá resultar em prestações entre R$ 1,4 mil e R$ 2,1 mil. Para a decisão final, nossa leitora deve ponderar, além de suas motivações pessoais, sua capacidade de pagamento das prestações frente a sua capacidade de poupar dinheiro para poder avaliar em quanto ela teria o valor total necessário sem ter que arcar com o financiamento.

O sr. tem informações sobre a falência da Boi Gordo. Estou associada à UNAA Global e tenho tido dificuldade de saber como está o processo. Consegui falar com um dos advogados que entende que não há muita chance de recebermos algo. Por outro lado, a associação ALBG, acredita que receberemos os valores corrigidos. Há também um site da massa falida que publica os leilões, ao qual escrevi e não obtive resposta.

A falência das Fazendas Reunidas Boi Gordo lesou mais de 30 mil credores entre trabalhadores, Fisco, investidores e fornecedores, tendo um passivo estimado em cerca de R$ 2,5 bilhões, em valores da época. A melhor fonte de informações sobre o estado atual dos processos envolvendo a Boi Gordo é o site www.massafalidaboigordo.com.br. Este portal contém todas as informações oficiais sobre o andamento da falência de 2004. A Justiça marcou para 7 de novembro o leilão dos imóveis e a expectativa é arrecadar cerca de R$ 56 milhões para os credores. O edital deste leilão encontra-se disponível no site. Ali, pode ser encontrada também a situação de cada processo movido por credores individuais - e é apontado o saldo das contas judiciais da massa falida em R$ 24 milhões. Acredito que o melhor é insistir em obter informações diretamente dos responsáveis pelo site.

Aposentei-me pelo INSS em 2004 e recebo hoje R$ 2 mil mensais. Continuei trabalhando na mesma empresa na qual me aposentei e, a meu pedido, serei dispensada em 2011. Entre os valores que receberei por ocasião da homologação tenho R$ 70 mil (sem o desconto de I.R.) referente à previdência. As opções para receber esse valor são: em 23 parcelas; receber 25% do total e transformar os 75% em renda vitalícia; transformar todo o montante em renda vitalícia. Se eu escolher a primeira opção, a minha ideia é aplicar religiosamente os valores recebidos mensalmente no Tesouro Direto ou em uma aplicação corrigida pelo CDI com pelo menos 100% de retorno. Na sua opinião, qual a melhor alternativa?

A resposta não é simples sem termos todos os dados referentes ao plano de previdência de sua empresa. Pois, dependendo dos custos e da rentabilidade que essa carteira está oferecendo, a decisão pode ser alterada. No entanto, um cálculo simples pode orientar essa decisão. Vamos admitir que a alíquota de Imposto de Renda em caso de saque imediato seja de 10% (faixa mais baixa). Assim, o montante disponível ao investidor será de R$ 63 mil .Este valor, rendendo líquido em torno de 0,6% ao mês, ofereceria um ganho de R$ 378 mensais. Este é o valor que poderia ser gasto mensalmente para preservar o principal investido. Portanto, o valor está abaixo da renda vitalícia de R$ 450 mensais oferecida pelo plano. Lembrando ainda que a oferta de saque é em 23 parcelas, assim, na prática, o cálculo do rendimento somente poderia ser efetivado em sua totalidade após o período de 23 meses.

Pergunte ao Gallo

Envie sua pergunta. Elas serão publicadas às segundas-feiras - seudinheiro.estado@grupoestado.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.