Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Preço médio dos imóveis residenciais sobe 0,26% em outubro

Pesquisa da Abecip em dez capitais, mostra que, no acumulado em 12 meses, São Paulo teve aumento de 4,85% nos preços

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2019 | 15h43

O preço nominal médio dos imóveis residenciais cresceu 0,26% em outubro no País, mostrando uma leve desaceleração na comparação com setembro, quando a alta foi de 0,32%. No acumulado dos 12 meses até outubro, a alta foi de 2,74%, ante 2,55% até setembro.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 22, pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), cuja pesquisa considera os valores de imóveis vendidos por meio de financiamento bancário em 10 capitais.

A pesquisa aponta que houve aumento nos preços médios em oito capitais:

As baixas no mês ocorreram em Fortaleza (-0,15%) e Rio de Janeiro (-0,10%).

Em nota, a Abecip afirmou que São Paulo é a cidade onde a recuperação do nível de atividades do mercado imobiliário residencial está mais clara. O preço médio das moradias em São Paulo cresceu 4,85% nos últimos 12 meses, bem acima da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no mesmo período, que ficou em 2,54%.

"A retomada dos preços em termos reais na cidade de São Paulo, ainda que lentamente, acompanha um conjunto de indicadores ligados a aumentos de vendas e novos lançamentos nos últimos meses", citou a associação.

A Abecip acrescentou que, do ponto de vista macroeconômico, os efeitos positivos de quedas nas taxas de juros e de estímulos como a liberação de parte do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) já se fazem sentir em indicadores de consumo das famílias.

"O desempenho do setor imobiliário residencial em São Paulo poderá aos poucos se disseminar entre as demais regiões do País na medida em que o aumento da confiança de consumidores e empresários possibilite a retomada dos investimentos em geral", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.