Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão

Preço do pão francês vira assunto nas redes; alta foi de 13% no último ano

Inmetro determinou em 2006 que pão deixasse de ser vendido por unidade e passase a ser comercializado por quilo. Tema viralizou nas redes após jovem "descobrir" mudança

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2022 | 15h01

O pão francês teve uma inflação acumulada em 12 meses, até abril deste ano, de 13,09% - um pouco acima do aumento geral dos preços, já que o IPCA acumulado no período é de 12,13%.

Em comparação com o mesmo período de 2021, a inflação do principal item do café da manhã era de 6,96%.

No fim de março, o Estadão mostrou que o preço do quilo do pão oscila entre R$ 12 e R$ 22. Nesta terça-feira, 31, uma usuária do Twitter viralizou ao "descobrir" que o pão francês já foi vendido por unidade, e não por peso. "Sou de uma geração diferente."

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) determinou na Portaria 3 de 1997 que o pão deveria ser comercializado a peso ou deveria ter um peso nominal definido - que variava de 50g a 1 quilo. 

Anos depois, em 2006, o Inmetro publicou outra portaria definindo que a comercialização do pão francês só poderia ser feita por quilo. 

Na época, a medida não agradou os consumidores. O Estadão realizou uma enquete com 530 internautas; 339 se mostraram insatisfeitos

"Tenho quatro pessoas para tomar café de manhã, e os R$ 0,80 com que costumava comprá-los não são mais suficientes. Estou gastando em média R$ 0,96", afirmou o leitor Taro Miura, de Jacareí (SP).

O então presidente da Associação Brasileira da Indústria da Panificação e Confeitaria (Abip), Alexandre Pereira, saiu em defesa da mudança. Para ele, a nova regra vinha em benefício do consumidor, pois ele "está pagando o que leva". 

Na venda por unidade, a lei exigia que todos os pães pesassem 50 gramas, o que, segundo ele, não acontecia. "Nas periferias dos grandes centros, as padarias estavam vendendo pães de 30 a 35 gramas a um preço mais barato, dando a falsa impressão de ter melhores preços. Com a mudança, se o pão for mais pesado, o consumidor paga mais, e vice-versa."

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãopão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.