Preços administrados e alimentos elevam inflação

Os reajustes nos preços administrados e nos produtos alimentícios foram responsáveis pela alta de 0,77% na inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) em julho, segundo divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa ficou no teto das previsões do mercado (0,60% a 0,80%) e foi mais do que o dobro da registrada em junho (0,33%).O IPCA-15 é aguardado com expectativa pelo mercado porque apresenta a tendência de inflação do IPCA, índice também divulgado pelo IBGE e que define o cumprimento da meta de inflação do governo. Os dois indicadores são calculados segundo a mesma metodologia, diferenciando-se apenas no período de coleta dos preços. A pesquisa do índice divulgado hoje foi realizada entre 14 de junho e 12 de julho. A coleta do IPCA, por outro lado, ocorre ao longo do mês completo.Os principais aumentos foram registrados no gás de cozinha (7,94%), telefone fixo (5,39%), energia elétrica (1,78%), gasolina (1,43%) e ônibus urbanos (1,06%). No caso dos produtos alimentícios, as maiores altas ocorreram no feijão carioca (13,40%), óleo de soja (10,38%), feijão preto (4,17%) e arroz (2,15%). O IPCA-15 acumulado no ano atingiu 3,82% e nos últimos 12 meses 7,47%.As projeções do mercado apontam que o IPCA de julho, a ser divulgado no início de agosto, apresenterá variação superior a 0,80%. Isso porque, impulsionada pelos aumentos dos combustíveis, energia e telefone, a inflação do mês já iniciou o período em, no mínimo, 0,76%.

Agencia Estado,

24 de julho de 2002 | 18h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.