Preços administrados tiveram maior impacto no IPCA

O IPCA acumulado no ano até outubro, de 8,37% - ainda pouco abaixo da meta de 8,5% fixada pelo governo - sofreu impacto especialmente dos reajustes de preços administrados e controlados. Segundo a gerente do Sistema de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, a principal pressão para a inflação no ano foi dada pela energia elétrica, com aumento acumulado de 20,7% e contribuição de 0,85 ponto porcentual. O IBGE divulgou hoje o IPCA de outubro, que ficou em 0,29%. A segunda maior contribuição acumulada foi dada pelos ônibus urbanos (18,51% de aumento acumulado/0,85 pp), seguido do telefone fixo (19,10% e 0,57 pp) e remédios (11,39% e 0,45 pp). O grupo dos alimentos registrou reajuste acumulado de 6,28% (1,62 pp). A alta dos alimentos esteve concentrada até maio, ainda refletindo repasses das pressões do dólar no ano passado. De janeiro a maio, os alimentos acumularam alta de 6,84% e de junho a outubro inverteram a trajetória de aumento e acumularam variação de -0,04%.Carne e frangoA maior contribuição individual para o IPCA de outubro (0,29%) foi dada pelo frango, que participou com quase um terço (0,10 ponto porcentual) na inflação do mês. Eulina Nunes dos Santos explicou que o aumento do produto em novembro (11,37%) foi provocado pelos reajustes da ração, por causa da quebra da safra do milho, que elevou os preços da commodity no mercado internacional. Além disso, o frango pega carona nos aumentos da carne bovina, que pressionada pela entressafra registrou aumento de 2,10% em outubro. O reajuste da carne, ainda que inferior ao registrado em setembro (4,3%), contribuiu com 0,06 ponto porcentual da inflação de outubro. Carne e frango, juntos, representaram mais da metade (0,16 ponto porcentual) da inflação do mês. Impactos em novembro concentram-se no Rio Os únicos impactos já antevistos para o IPCA de novembro estarão concentrados no Rio de Janeiro e dizem respeito ao reajuste de 7,14% na tarifa de ônibus urbano a partir do dia primeiro do mês e a aumento na tarifa de energia elétrica da Light, a ser definido nos próximos dias. Eulina Nunes dos Santos não quis fazer previsões para a inflação de novembro, mas sublinhou que a taxa do IPCA de outubro (0,29%) confirmou que a inflação de setembro (0,78%) foi pontual e os preços já retornaram aos patamares anteriores. Segundo ela, é difícil prever qual será a trajetória de reajustes dos alimentos a partir de agora, mas a safra recorde de 122 milhões de toneladas deverá evitar pressões fortes nos preços dos produtos alimentícios até o final deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.