Estadão
Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Preços de eletrodomésticos podem variar até 80%, diz pesquisa

Levantamento do Procon-SP avaliou preços de 117 itens, incluindo fogões, fornos micro-ondas, refrigeradores e liquidificadores

Paulo Roberto Netto, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2017 | 18h24

A variação de preços dos eletrodomésticos em São Paulo, a depender da loja e da região, pode chegar a quase 80%, aponta pesquisa comparativa elaborada pela Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-SP). Ao todo, foram avaliados sete lojas e 117 itens, incluindo fogões, micro-ondas e refrigeradores. Divulgado nesta segunda-feira, o levantamento busca alertar consumidores e servir de referência nas ofertas de fim de ano.

De acordo com a pesquisa, o produto com a maior variação foi o aspirador de pó PH1390, da Philco, cuja diferença de preços chegou a 79,14%, sendo vendido de R$ 139 a R$ 249. Outro eletrodoméstico que chamou a atenção foi o fogão Dupla Chama de cinco bocas da Consul, cuja variação chegou a 54,60%. Na zona Oeste da cidade, o modelo era vendido por R$1.099, enquanto na zona Norte o mesmo modelo foi encontrado por R$1.699.

Segundo a supervisora de pesquisas Cristina Martinussi, do Procon-SP, a diferença de preços é reflexo fatores como número de unidades das lojas distribuídas pela capital, os descontos, a localização dos estabelecimentos e sua proximidade com os centros comerciais. “O que orientamos ao consumidor é ficar atento aos preços das lojas, pois essas diferenças existem.”

Outros eletrodomésticos que registraram alta variação nos preços incluem climatizadores de ar (57,64% – de R$399 a R$629), fornos micro-ondas (45% – de R$ 699 a R$ 1.019) e liquidificadores (70% – R$ 129 a R$ 219). 

Referência. Com a proximidade da Black Friday, que ocorre em 24 de novembro, e o Natal despontando no horizonte, a pesquisa do Procon-SP tenta servir de referência aos consumidores que procuram descontos de fim de ano, diz Cristina Martinussi. “A nossa expectativa é que os preços caiam nas próximas semanas. Por isso, é importante ter esses valores atuais como referência.”

+ Black Friday prevê arrecadação recorde de R$ 2,2 bi em 2017

Além da atenção aos preços, a especialista alerta os consumidores a ficar de olho nos métodos de pagamento, verificando juros e multas nas compras parceladas. Além disso, a recomendação neste momento de crise econômica é adiar as compras, quando possível, até encontrar uma promoção que realmente valha a pena, aconselha Cristina.


 

Tudo o que sabemos sobre:
Eletroeletrônico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.