Preços de energia desabam no mercado de atacado

Os preços de energia elétrica desabaram no mercado de atacado, caindo para R$ 15,47 por megawatt-hora (MWh) nos quatro submercados, o que representa queda de 47,2% em relação ao patamar atual. O novo valor é o piso fixado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e reflete o grande volume de água disponível nos reservatórios das grandes hidrelétricas. Com isso, foi invertida a situação a situação observada no início de janeiro, quando os preços atingiram patamares recorde. No início deste ano, os preços chegaram a bater no máximo fixado pela Aneel, atingindo R$ 569,59 por MWh. Nos contratos de longo prazo, o preço de referência oscila entre R$ 80 e R$ 120 por Mwh.Desde o início de fevereiro os preços têm registrado queda, não só devido à volta das chuvas como pela decisão do governo de acionar as usinas térmicas para preservar água nos reservatórios das grandes hidrelétricas. Os níveis atuais de preços indicam situação bem mais confortável do que a registrada no ano passado, em que o MWh foi cotado a R$ 44,71 na região Sudeste/Centro-Oeste em meados de maio. Em 2006, o MWh foi negociado por R$ 56,47 nessa época do ano. "O que ficou claro, agora, é que o volume de chuvas este ano foi bom. Houve apenas atraso no início das chuvas", explicou um técnico do setor.Pelos dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), as chuvas de maio têm ficado muito acima da média histórica para essa época do ano, especialmente na região Sudeste/Centro-Oeste, o que tem permitido acumulação adicional de água/energia nos reservatórios. Até ontem, a média de chuvas deste mês no Sudeste/Centro estava 66% acima da média histórica de 77 anos para essa época do ano. Com isso, os reservatórios da região subiram para 83,7% da capacidade máxima de armazenamento, com ganhos de 1,2 ponto percentual em apenas uma semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.