Preços do aço na China aumentam, desafiando rumores de desaceleração

Dado representa indicador importante para o setor de construção, que representa metade do consumo de aço do país

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

23 de julho de 2010 | 11h36

O aumento dos preços do aço chinês nesta semana, aliado à alta dos futuros e das ações ligadas ao aço, poderá sinalizar uma aterrissagem suave "para o setor, apesar de dois meses de queda dos preços.

Os preços do aço na China fornecem uma indicação de confiança para o setor de construção que, por sua vez, representa um indicador importante para a economia mais ampla, já que a indústria da construção civil chinesa representa a metade do consumo de aço do país.

Embora não esteja claro por quanto tempo a recuperação continuará, a extensão do rali dos preços relacionados ao aço em diferentes mercados e classes de ativos neste semana ressalta o potencial ainda inesgotável do desenvolvimento da China.

"Apesar das condições difíceis nas últimas semanas, não há ainda sinais de que as usinas estão reduzindo os embarques de minério de ferro, já que o abrandamento do crescimento da demanda é visto provavelmente como temporário", disse o analista do BMO Capital Markets Bart Melek.

As siderúrgicas alertaram que as usinas menores poderão declarar default se as margens de lucro continuarem a diminuir, afetando a confiança na economia em geral.

"O cenário está se tornando negativo em razão da redução dos estoques pelos consumidores finais", disse Melek. No entanto, "a recuperação contínua da produção industrial global, que inclui desde a indústria automobilística a produtos elétricos, deverá voltar a impulsionar a produção de aço ao mesmo tempo em que os estoques atuais são utilizados."

A Jiangsu Shagang Group, maior fabricante de aço para a construção da China, manteve na quarta-feira os preços dos seus principais produtos inalterados, interrompendo dois meses de cortes de preços. A empresa é a sétima maior siderúrgica do mundo em produção. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
chinapreçosaçodesaceleração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.