Preços dos carros podem subir 2%

O presidente da Usiminas, Rinaldo Campos Soares, afirma que não vai abrir mão do reajuste de 12% a 14% no preço do aço para as montadoras. Segundo ele, a maioria dos 200 clientes já aceitou o repasse de custo. A notícia não é boa para quem pretende comprar um carro. Isso porque, se as montadoras aceitarem o aumento, os preços dos veículos devem subir 2%.Soares informou que, entre julho de 1994 e abril deste ano, o preço médio do aço subiu 46%. No mesmo período o Índice Geral de Preços (IGPM ) foi de 97% e variação cambial de 96%. Ele afirma que , para recompor seus preços a empresa teria de repassar aumento de até 33%. Para acompanhar os preços internacionais, o reajuste chegaria a 43%. Volkswagen, Fiat, General Motors, Ford e Mercedes-Benz, além de cinco coligadas da Fiat que produzem peças, não concordam com o reajuste, anunciado no início de maio e parcelado em três vezes. Toyota e Honda aceitam aumento para não parar a produção A Honda informou que foi encostada contra a parede e não teve alternativa. A empresa, que usa um volume pequeno de aço nacional, temia ter de parar a produção. O mesmo ocorreu com a Toyota, que está ampliando a produção e não quis correr o risco de ficar sem matéria-prima. Ambas informaram que não há previsão de repasse aos preços dos carros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.