Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Preços imobiliários não são principal prioridade do BC chinês, diz Zhou

O banco central chinês presta mais atenção às perspectivas de inflação e crescimento econômico do que aos acontecimentos no mercado imobiliário, disse o presidente do banco central Zhou Xiaochuan nesta quinta-feira.

REUTERS

10 de julho de 2014 | 09h10

Falando durante conversas de alto nível entre os Estados Unidos e a China, Zhou disse que falta experiência ao banco central da China em lidar com o mercado imobiliário e que portanto deve agir com cautela.

"O banco central toma medidas macroprudenciais para administrar a demanda no mercado imobiliário e orientar o financiamento para incorporadoras", disse Zhou para repórteres em uma coletiva. "Mas o banco central presta mais atenção às tendências da economia e da inflação".

Zhou disse também que a China planeja reduzir significativamente sua intervenção cambial quando as condições estiverem adequadas, acrescentando ainda que o banco central acredita que pode liberalizar o mercado de taxas de juros do país dentro de dois anos.

"Nós do banco central da China, como principal agência do governo para reformas de taxas, devemos ter um cronograma interno de trabalho", disse ele.

"Mas o cumprimento do cronograma depende de condições externas --tanto a economia internacional quanto a doméstica. Acreditamos que alcançaremos o objetivo dentro de dois anos".

(Reportagem de Kevin Yao)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINAINTERVENCAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.