finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Preços no varejo em SP sobem 0,73% em agosto

O Índice de Preços no Varejo (IPV), calculado pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), registrou em agosto alta de 0,73%. Em julho, o índice havia apresentado alta de 0,86%. O IPV de agosto é o menor índice mensal desde abril deste ano, quando apresentou deflação de 0,27%.A desaceleração do grupo de Não-Duráveis, que caiu de 1,27% em julho para 0,31% em agosto, teve a maior influência para o IPV menor no mês passado, segundo a Fecomercio. Na avaliação da assessoria econômica, isto se deve principalmente ao segmento de alimentos, que passa por um processo de saída da entressafra e deve pressionar os preços para baixo daqui para a frente. No mês passado, os produtos alimentícios subiram 0,50%, contra 1,54% em julho.A queda de 4,14% no preço dos produtos de higiene também puxou para baixo o índice do grupo. Fazem ainda parte deste grupo: produtos de limpeza doméstica (-0,88%) e produtos farmacêuticos (1,40%).Semiduráveis foi o único grupo a mostrar resultados negativos em agosto: passou de uma alta de 0,94% em julho para queda de 0,24% no mês passado, contribuindo para a trajetória de baixa do IPV. O segmento de vestuário, com queda de 2,72%, ajudou o índice a recuar, principalmente devido às liquidações de inverno. Já calçados apresentou alta de 3,79% no mês. Altas significativasEntre os grandes grupos pesquisados (Duráveis, Semiduráveis, Não-Duráveis, Comércio Automotivo e Materiais De Construção), apenas comércio automotivo e materiais de construção apresentaram altas significativas em agosto: de 3,11% e 5,48%, respectivamente. "No caso de automotivos, o aumento se justifica pela entrada dos modelos 2005, com patamar de preço mais elevado."PerspectivasA assessoria econômica da Federação acredita que o Índice de Preços no Varejo (IPV) terminará 2004 acima de 9%. O cálculo foi feito com base no porcentual acumulado nos últimos 12 meses (9,38%) e também somando-se todos os índices mensais desde o início do ano (7,03%). Para o fechamento deste, a assessoria econômica estima que o IPV fique em cerca de 0,5%, mantendo a tendência de desaceleração.

Agencia Estado,

02 de setembro de 2004 | 14h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.