Preços no varejo sobem 1,10% em maio, aponta Fecomércio

O Índice de Preços no Varejo (IPV), apurado pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio) na Região Metropolitana da Capital, registrou elevação de 1,10% em maio. Todos os cinco grupos de produtos pesquisados mostraram desaceleração em relação a abril, quando o índice atingiu 2,26%, maior aumento desde maio de 2003. No ano, a alta acumulada é de 5,98%. Estes dados foram divulgados hoje pela assessoria de imprensa da instituição.O IPV é pesquisado pela Fecomércio desde 1992 e é divulgado mensalmente, apurando as variações de preços de uma cesta de 150 produtos do varejo. A pesquisa abrange 12 segmentos do comércio varejista: eletrodomésticos, móveis e decorações, vestuário e calçados; alimentos, produtos farmacêuticos, de higiene, e limpeza doméstica; veículos novos e autopeças, e materiais de construção. São cotados cerca de oito mil preços, sempre nos mesmos estabelecimentos. O IPV tem base quadrissemanal. GruposDentro do grupo de Semiduráveis, que teve alta de 3,48% (ante 4,30% no mês anterior)o destaque é o segmento Vestuário, que subiu 6,01% no mês passado, a maior contribuição para a inflação do período. No mesmo período, os calçados apresentaram queda de 1,42%, após aumento de 5,62% em abril.No grupo de Não-Duráveis, os preços tiveram elevação de 1,41%, ante 1,78% em abril. Os alimentos, que possuem grande peso na ponderação do IPV, apresentaram alta de 1,38%, após atingirem 1,79% no mês anterior.O grupo de Duráveis contabilizou elevação de 0,45%, bem abaixo dos 2,18% de abril, e a menor desde setembro do ano passado, segundo apuraram os analistas da instituição. Eletrodomésticos tiveram queda de 0,42%, depois de aumentarem 1,70% em abril. Segundo a assessoria econômica, o resultado indica que os repasses de preços da indústria, por conta de elevações nos custos de matérias-primas, estão se esgotando e a tendência é de declínio.A maior redução de preços do mês foi registrada no grupo de comércio automotivo, com variação negativa de 3,58%, diante de um aumento de 0,21% em abril e de 3,99% em março. Os preços de veículos novos caíram 3,62% e os de autopeças 3,55%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.