Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Prédio da Eletrobrás no Rio fica praticamente vazio com greve geral

Segundo a estatal, o prédio principal da em presa está quase vazio, mas o abastecimento de energia elétrica do País não será afetado por conta disso

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2019 | 14h14

RIO - Apesar da ameaça de cortar o ponto de quem faltasse ao trabalho, a diretoria da Eletrobrás não conseguiu evitar que 80% do seu quadro administrativo aderisse à greve geral nesta sexta-feira, 14, no Rio de Janeiro, onde está a sede da companhia. 

O movimento foi convocado pelas centrais dos trabalhadores para protestar contra a reforma da Previdência e os cortes do orçamento para a pasta da Educação.

Segundo a assessoria da Eletrobrás, o prédio principal da em presa está quase vazio, mas o abastecimento de energia elétrica do País não será afetado por conta disso. Trabalham no local cerca de 650 pessoas.

"A eventual ausência do empregado será tratada como falta imotivada, e, portanto, descontada de sua remuneração. Adicionalmente, cumpre ressaltar que as empresas do grupo possuem planos de contingências, de modo que os serviços essenciais não sejam descontinuados", disse a estatal ao Estadão/Broadcast, ao ser questionada ontem sobre os preparativos contra a manifestação dos empregados.

A Eletrobrás passa por uma série de mudanças diante da determinação do governo de sair do controle da companhia, o que será feito por um processo de capitalização. Os últimos detalhes estão sendo fechados e a previsão é de que o modelo de venda saia ainda em junho, com venda em bolsa de valores em 2020.

A estatal enfrenta também no momento uma complicada negociação salarial, acenando com ajuste de 1,5% contra pedido da categoria de 4,5%. A empresa quer também eliminar cláusulas que fazem parte das conquistas sindicais, como a que impede a demissão em massa na companhia, o que vem sendo combatido pelos trabalhadores. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.