Prefeitos do RJ investem pouco da renda do petróleo

O incremento de receita que os royalties do petróleo proporcionam aos municípios que têm plataformas de produção na extensão do seu litoral não se reflete nos investimentos de todas as prefeituras beneficiadas. É o que mostra o cruzamento dos dados de arrecadação de royalties e investimentos por habitante do anuário "Finanças dos Municípios Fluminenses", publicado pelo governo do Estado do Rio, com dados de 2008.

AE, Agencia Estado

25 de março de 2010 | 09h28

Das dez cidades fluminenses que mais receberam royalties em relação ao tamanho da população, apenas cinco figuram também na lista de maiores investimentos per capita. Mesmo assim, sem manter a proporção. Casimiro de Abreu, por exemplo, que está em quinto lugar em royalty per capita (R$ 2.799), é a 15ª em investimento: apenas R$ 371 por habitante. Carapebus, com a quarta melhor relação royalty/habitante (R$ 3.047), só investiu R$ 434 por pessoa.

Embora quatro cidades tenham recebido mais de R$ 3 mil em royalties por morador, apenas Quissamã e Rio das Ostras destinaram mais de R$ 1 mil aos investimentos. São João da Barra chegou perto: R$ 983 por morador. No entanto, arrecadou R$ 4.863 em royalties per capita. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.