Werther Santana/ Estadão
Werther Santana/ Estadão

Prefeitura de SP autoriza redução de frota de ônibus em meio à greve dos caminhoneiros

Secretário de Transportes admitiu que a situação é crítica; entre 10 e 17 horas, linhas poderão circular com 40% da frota

Ana Paula Niederauer e Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

24 Maio 2018 | 09h33

SÃO PAULO -  Apesar da frota de ônibus ter circulado normalmente na manhã desta quinta-feira, 24, a Prefeitura anunciou há pouco que autorizou as empresas de ônibus a rodarem com apenas 40% dos veículos no horário de entrepico (das 10 às 17 horas).

O secretário municipal de Mobilidade e Transporte João Octaviano Machado Neto admitiu ao Estado que, se não houver acordo dos caminhoneiros com o governo, a situação pode ficar extremamente crítica no fim da tarde e pode faltar combustível para os ônibus rodarem na sexta-feira.

A paralisação promovida pelos caminhoneiros suspendeu a chegada de óleo diesel nas garagens de ônibus de São Paulo. Entre o fim da manhã e o início da tarde, o Estado percorreu terminais de ônibus da zona sul da cidade, tais como Capelinha, Santo Amaro e Guarapiranga, nos quais havia relatos de redução na frota.  

++ Protestos de caminhoneiros afetam estradas e transporte público no País; acompanhe

Na noite de quarta-feira as empresas conseguiram comprar combustível para operar nesta manhã. O secretário classificou a situação como "absolutamente aguda" e disse que os paulistanos devem ter cautela, bom senso e serenidade. " A exacerbação dos ânimos não vai ajudar ninguém. Vamos torcer para que entrem em acordo", disse João Octaviano.

O rodízio para veículos de passeio está suspenso nesta quinta-feira, mas a Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMRC) e a Zona de Máxima Restrição ao Fretamento (ZMRF) estão mantidas. O serviço de Zona Azul funciona normalmente, de acordo com os horários das placas. Os corredores e faixas de ônibus continuam funcionando normalmente com as devidas restrições.

+++ Perguntas e respostas sobre a manifestação dos caminhoneiros

Segundo o João Octaviano, equipes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e da São Paulo Transporte (SPTrans) estão nos corredores de ônibus e em pontos estratégicos da cidade para orientar os passageiros e motoristas sobre as mudanças.

Ele ainda afirmou que a SPTrans está em constantes reuniões avaliando e estudando estratégias para garantir o transporte na tarde desta quinta-feira. "Se não tivermos combustível, a situação pode ser muito crítica. Não temos garantias por conta do desabastecimento. Vamos torcer para que caminhoneiros e governo entrem em acordo", disse Octaviano.

Alternativas. Por volta das 12 horas, o Estado encontrou um proprietário de um ônibus que atende a linha 6044 (Jardim Dom José - Terminal Santo Amaro) abastecendo o veículo em um posto de gasolina comum. “Enquanto tiver alternativa, vou vir no posto abastecer”, disse Sérgio Louzado de Castro, de 38 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.