Pregão de imóveis direto ao cliente

Um leilão de imóveis que será realizado no próximo dia 14 vai inaugurar uma nova tendência no mercado. Os cerca de 30 lotes à venda pertencem a pessoas físicas ou fazem parte da carteira de grandes construtoras, que tradicionalmente utilizam outros meios de venda, mas passaram a enxergar no leilão um instrumento mais ágil e seguro de fechar negócio. De acordo com o leiloeiro Roberto do Reis, a idéia de organizar um pregão nesses moldes surgiu da grande procura de pessoas interessadas em vender imóveis em leilão. Com a entrada de construtoras interessadas em aumentar o volume de vendas, o evento ganhou ainda mais força. "Com o tempo, os saldos de empreendimentos acabam ficando muito caros para as empresas, que têm de arcar com impostos e taxas", diz Reis.No caso das pessoas físicas, os pregões se apresentam como uma maneira transparente de realizar a venda, ainda que, para tornar o leilão atraente para o público comprador, seja necessário depreciar o valor de mercado dos bens em até 20% no lance inicial. Entre os lotes, estão um conjunto comercial de cerca de 70 metros quadrados de área útil na Avenida Angélica, com preço mínimo de R$ 65 mil; um apartamento de três dormitórios em Pinheiros, por R$ 55 mil, e um galpão de 690 metros quadrados em Santo Amaro, por R$ 230 mil.O pagamento poderá ser financiado por bancos ou em até 36 vezes pelo proprietário, que, nesse caso, fica com o imóvel hipotecado em seu nome como garantia do pagamento das parcelas. Segundo o leiloeiro, o objetivo é realizar um leilão de imóveis particulares a cada dois meses. Mais informações sobre os lotes disponíveis e as condições de venda podem ser obtidas por meio do site (veja no link abaixo).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.