coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Prejuízo dos grandes bancos do Japão atinge US$ 34,3 bi

Os quatro maiores bancos do Japão tiveram saldo negativo no ano fiscal até março de 2002 devido às significativas baixas contábeis de créditos podres e perdas com ações, porém prevêem um retorno aos lucros este ano, à medida que a economia e o mercado acionário registrem uma elevação. Os quatro maiores bancos do Japão e quatro outros bancos de empréstimo registraram prejuízos líquidos totalizando 4,3 trilhões de ienes (US$ 34,3 bilhões), revertendo o lucro no ano anterior de 45,1 bilhões de ienes, quase duplicando as perdas de 2,5 trilhões de ienes previstas seis meses atrás. No entanto, todos os bancos estimam lucro este ano totalizando 651 bilhões de ienes (US$ 5,20 bilhões). Eles planejam efetuar baixa contábil de 2,5 trilhões de ienes (US$ 20 bilhões) de empréstimos podres neste ano fiscal, facilmente cobertos pela projeção de lucro operacional de 3,7 trilhões de ienes (US$ 29,5 bilhões). O grupo de oito bancos removeu 7,7 trilhões de ienes (US$ 61,5 bilhões) de empréstimos podres no último ano fiscal, acima do 1,9 trilhão de ienes projetado no ano anterior e da estimativa de 6,5 trilhões de ienes anunciada em novembro último. O UFJ Holdings teve um prejuízo líquido de 1,22 trilhão de ienes (US$ 9,7 bilhões) no ano fiscal até 31 de março sobre receita de 3,07 trilhões de ienes (US$ 24,0 bilhões). O banco Mizuho Holdings Inc. registrou um prejuízo líquido de 976,0 bilhões de ienes (US$ 7,8 bilhões) sobre receita de 5,18 trilhões de ienes (US$ 41,4 bilhões). O Sumitomo Mitsui Banking Corp. verificou um prejuízo líquido de 463,89 bilhões de ienes (US$ 3,7 bilhões) e receita de 3,78 trilhões de ienes (US$ 30,2 bilhões) O Mitsubishi Tokyo Financial Group Inc. teve um prejuízo líquido de 152,32 bilhões de ienes (US$ 1,21 bilhão) sobre receita de 3,26 trilhões de ienes (US$26,0 bilhões).

Agencia Estado,

24 de maio de 2002 | 11h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.