Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Premiê australiano defenderá reforma do FMI para Obama

Para Kevin Rudd, é preciso dotar de mais recursos o Fundo para combater problemas dos emergentes

Efe,

23 de março de 2009 | 06h46

O primeiro-ministro australiano, Kevin Rudd, viajou nesta segunda-feira, 23, para Washington, onde defenderá a reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI) em sua primeira reunião com o presidente americano Barack Obama.

 

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

O líder australiano considera que é preciso dotar de mais recursos ao FMI para combater efetivamente os problemas que afetem os países em desenvolvimento, uma ideia que ele pretende propor também em Londres, durante a reunião do Grupo dos Vinte (G20, os vinte países mais desenvolvidos e os principais emergentes), em 2 de abril.

 

Rudd também defende que o FMI também deve dar um maior peso à China que, por sua vez, deveria, segundo ele, fornecer maior financiamento à instituição.

 

Ele explicou que também debaterá a crise financeira global com Obama, com quem analisará novas medidas para eliminar os bens "tóxicos" do setor financeiro e aumentar o fluxo de crédito.

 

Além de Obama, Kevin Rudd se reunirá com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton; o presidente do Federal Reserve, Ben Berknanke, e o Secretário do Tesouro, Timothy Geithner.

 

O Afeganistão também estará em pauta e os dois chefes de Estado devem tratar do crescimento dos talebans tanto neste país quanto no vizinho Paquistão.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaAustráliaencontro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.