carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Premiê da China descarta fortes estímulos à economia

O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, voltou a afirmar que o governo não está considerando nenhuma forte medida de estímulos e rejeitou alguma mudança no viés "proativo" da política fiscal ou no viés "prudente" da política monetária. "Não há nenhuma consideração sobre expandir o déficit ou usar ''fortes estímulos''", disse, em comentários feitos durante encontro do Conselho Estatal e publicados no portal do governo.

AE, Agencia Estado

16 de abril de 2014 | 22h09

O premiê chinês afirmou que o governo confiará em reformas e ajustes estruturais para aumentar a oferta e atender a nova demanda.

Na reunião do Conselho Estatal, que é o gabinete da China, o órgão responsável pelas decisões executivas decidiu reduzir o depósito compulsório para algumas instituições financeiras rurais. Analistas esperam que isso injete apenas 15 bilhões de yuans no mercado.

Os comentários de Li indicam que o governo pretende continuar nessa direção, com medidas desenhadas para ajudar áreas específicas, sem elevar os níveis de dívida ou piorar o excesso de capacidade na indústria.

Ontem, Pequim anunciou um crescimento de 7,4% no Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Embora tenha superado ligeiramente as projeções do mercado, esse foi o menor ritmo de expansão desde o terceiro trimestre de 2012. A meta oficial é de um crescimento em torno de 7,5% no ano, "um pouco acima ou um pouco abaixo", segundo Li.

O premiê ressaltou que o desemprego caiu no primeiro trimestre e o crescimento no setor de serviços superou o do setor secundário. "Essas são mudanças positivas para a economia", afirmou. Fonte: Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinapibestímulos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.