Premiê da China diz que economia se estabilizou

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse que as medidas adotadas pelo seu governo estabilizaram as condições econômicas, mas alertou que o estímulo de curto prazo não resolverá os problemas fundamentais da China.

AE, Agencia Estado

11 de setembro de 2013 | 09h13

Em um discurso de grande alcance para a reunião de verão do Fórum Econômico Mundial em Dalian, Li disse que as metas econômicas e de desenvolvimento deste ano serão cumpridas, apesar da série de incertezas enfrentada pela economia global.

"A confiança do mercado se fortaleceu e as expectativas da sociedade melhoraram e esta tendência de desenvolvimento nos leva a crer firmemente que as metas deste ano definitivamente vão ser realizadas", disse ele.

Li disse que os fundamentos econômicos da China são "sólidos", mas reiterou a intenção do governo de implementar as reformas econômica e do sistema financeiro para conduzir o crescimento no futuro.

Ele mencionou o foco do seu governo na taxa de câmbio e na reforma da taxa de juros e disse que o esquema de garantia de depósito será anunciada no "tempo apropriado". Ao mesmo tempo, o governo chinês continuará a implementar a convertibilidade do yuan gradualmente, afirmou Li.

O raro discurso público de LI foi feito após dados econômicos de agosto sugerirem que as condições melhoraram. O Conselho de Estado prometeu efetivamente no fim de julho defender sua meta de crescimento oficial de 7,5%, revelando uma série de medidas de relaxamento chamadas de "mini-estímulo"

Essas medidas não lidaram com as preocupações profundas sobre a saúde da economia chinesa, que é dependente de investimentos, mas Li disse que o governo planeja lidar com a questão por meio do estímulo ao consumo, como condutor de crescimento.

Apesar das preocupações sobre os níveis desconhecidos de dívida escondidos no sistema financeiro, Li repetiu que os problemas de dívidas dos governos locais estão sob controle. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.