Premiê da China prevê expansão da demanda doméstica no 2º semestre

Wen Jiabao disse que a China continuará a expandir a demanda interna, melhorar a qualidade e eficiência dos investimentos do governo e encorajar o investimento privado

Ligia Sanchez, da Agência Estado,

22 de julho de 2010 | 13h35

O premiê chinês Wen Jiabao afirmou que o governo manterá a política econômica estável no segundo semestre de 2010 e enfatizará o crescimento econômico rápido e forte, durante encontro para apresentação dos planos econômicos do governo do segundo semestre a líderes de organizações não políticas. O premiê disse que a China continuará a expandir a demanda interna, melhorar a qualidade e eficiência dos investimentos do governo e encorajar o investimento privado, esperando assentar os fundamentos para um crescimento econômico rápido e sólido no próximo ano e a longo prazo.

No mesmo evento, o presidente chinês Hu Jintao reiterou que o governo manterá uma política fiscal proativa e a política monetária moderadamente flexível no segundo semestre, ao mesmo tempo que aumentará o monitoramento da situação econômica. Segundo ele, o governo vai acelerar as reformas do sistema fiscal e de impostos, do sistema de preços e do setor imobiliário, mas não forneceu mais detalhes.

"Independentemente se o plano for resolver problemas estruturais e sistêmicos existentes há muito tempo ou solucionar questões urgentes e proeminentes nas operações econômicas, qualquer iniciativa deve ser desenvolvida sob a premissa de manutenção do crescimento econômico rápido e sólido", declarou Wen.

Os comentários de Wen sugerem que o governo está colocando um pouco mais de ênfase em crescimento rápido do que no primeiro semestre do ano. O crescimento econômico da China desacelerou para 10,3% no segundo trimestre, ante 11,9% no primeiro trimestre, com os gastos de estímulos sendo reduzidos gradualmente e o controle sobre empréstimos bancários e especulação imobiliária tendo efeito de modo mais amplo na economia.

O produto interno bruto da China deve crescer entre 9,5% e 10% em 2010, acima do nível de 9,1% de 2009, de acordo com o vice-diretor da Academia de Pesquisa Macroeconômica da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento, Wang Yiming, citado na edição internacional do jornal People's Daily, do Partido Comunista chinês. O Ministro de Indústria e Tecnologia da Informação, Li Yizhong, afirmou que o crescimento da produção industrial da China continuará a desacelerar para pouco mais de 10% no segundo semestre, de acordo com noticiário de uma rádio estatal. A produção industrial expandiu 13,7% em junho ante junho de 2009, mas ficou abaixo dos 16,5% de maio. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.