Premiê grego pede ''conselhos econômicos'' a Lula

'Quem sou eu para dar conselhos?', respondeu Lula, segundo o assessor da Presidência para [br]Assuntos Internacionais

Andrei Netto, ENVIADO ESPECIAL A MADRI, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2010 | 00h00

Ex-mau aluno em política econômica, o Brasil já havia se transformado, de cliente assíduo, em credor do Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2009. Ontem, tornou-se professor.

De acordo com relato do assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, o presidente Lula teria questionado o primeiro-ministro da Grécia, Georges Papandreou, sobre a turbulência financeira no país, onde a crise de credibilidade fiscal na Europa é mais forte - o grego luta para evitar o calote da dívida do país, de 113% do Produto Interno Bruto (PIB), ante 42% no Brasil.

Em seguida, Papandreou pediu "conselhos econômicos" para enfrentar a crise do país. Mesmo tendo enfrentado no início do governo, em 2003, a dependência do FMI, Lula teria sido humilde. "O presidente respondeu: "Quem sou eu para dar conselhos?"", relatou Garcia.

À noite, ao ser homenageado com o Prêmio Nueva Economía ao Desenvolvimento Econômico e à Coesão Social, edição 2010, Lula foi menos modesto. Dirigindo-se ao presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, contou ter feito, em dezembro de 2008, um pronunciamento no qual pediu à população que consumisse com responsabilidade, como antídoto contra a crise. "Essa foi uma lição, meu caro Durão Barroso, que deveria servir à Europa. Porque na crise econômica de 2008 muitos países se encolheram, diminuíram o consumo, o crédito, e o que aconteceu foi que a economia foi se atrofiando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.