Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Premiê japonês reafirma compromisso por recuperação

O primeiro-ministro do Japão, Youkio Hatoyama, disse em seu primeiro importante discurso ao Parlamento, hoje, que sua principal tarefa e levar o país a uma rota de crescimento sustentável. Hatoyama deu mostras de seu forte desejo de garantir que a recuperação inicial da economia nacional ganhe força. Hatoyama também prometeu implementar promessas de campanha para aumentar o consumo, bem como iniciativas para transformar o aeroporto Haneda, em Tóquio, em um aeroporto internacional funcionando 24 horas por dia. O primeiro-ministro falou durante uma convocação extraordinária do Parlamento que deve durar até a sexta-feira.

GABRIEL BUENO, Agencia Estado

26 de outubro de 2009 | 12h17

O novo líder não foi claro, porém, sobre quais são os planos do governo para reduzir a crescente dívida pública, enquanto gasta dinheiro para estimular a economia japonesa. Ele disse apenas que irá "considerar um padrão de reabilitação fiscal de uma perspectiva ampla, de longo prazo".

O discurso é o mais recente indício de que o Partido Democrático do Japão (PDJ) - que encerrou no mês passado um administração de quase 50 anos ininterruptos do rival Partido Democrático Liberal (PLD) - considera a recuperação econômica uma prioridade, no momento em que o país se recupera de sua pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Segundo essa visão, a retomada seria no momento mais importante que ações de saneamento fiscal.

A recente crise econômica mundial "teve um impacto significativo na economia e no emprego e a atual situação exige que nos mantenhamos alertas", disse o primeiro-ministro. "A tarefa mais importante do gabinete é colocar o Japão de volta em um rumo de recuperação sustentável, liderada pela demanda do setor privado, e assegurar o crescimento econômico sustentável enquanto dá atenção à coordenação política internacional."

Hatoyama não divulgou metas de crescimento. Ele disse que o governo acompanhará com atenção o setor econômico, a fim de evitar problemas como o possível aumento do desemprego e do gasto dos consumidores, a fraqueza de algumas economias regionais e as dificuldades de se obter crédito para pequenas companhias.

Ele disse ainda que deseja construir "uma economia para o povo", onde haveria mais peso no gasto doméstico que nas exportações. Para isso, o PDJ pretende implementar medidas como auxílios em dinheiro para famílias com crianças e cortes no imposto de gasolina. Os governos do PLD costumavam enfocar as exportações e projetos públicos para aquecer a economia. Já o PDJ promete focar setores como o de medicina e enfermagem domiciliar, educação, agricultura, florestas e turismo, apontou Hatoyama. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criseJapãoHatoyama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.