Preocupação com a demanda derruba confiança da indústria

Índice calculado pela FGV tem queda de 11,7% em outubro; no trimestre, ICI é o menor desde janeiro de 2006

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

29 Outubro 2008 | 08h41

O agravamento da crise financeira mundial em meados de setembro derrubou a confiança da indústria brasileira. Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas, o Índice de Confiança da Indústria, caiu 11,7% em outubro ante setembro, puxada principalmente pelo pessimismo dos empresários em relação à demanda do mercado. Entre julho e outubro, o ICI recuou de 120,8 para 105,3 pontos, o menor nível desde janeiro de 2006.   Veja também: Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Veja os primeiros indicadores da crise financeira no Brasil Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise    Em comunicado, a FGV informou que a "queda acentuada sinaliza desaceleração de atividade econômica em outubro e pessimismo em relação ao próximos meses". Em setembro, o indicador já havia registrado queda de 2,2% em comparação com o mês anterior. Na comparação com outubro do ano passado, o ICI registrou queda de 14%, em igual mês este ano.   Segundo os dados, entre julho e outubro de 2008, a parcela de empresas entrevistadas que avaliam a demanda atual como forte caiu de 29,1% para 16,6%. No mesmo período, o porcentual de empresas pesquisadas que classificam a demanda como fraca subiu de 2,7% para 11,9%.   Ainda de acordo com a fundação, os empresários se mostram mais pessimistas em relação aos próximos seis meses. Em um total de 1.101 empresas consultadas, 40,4% prevêem melhora e 10,1% estimam piora da situação dos negócios, no período projetado. Segundo a FGV, este é o pior resultado para este quesito da Sondagem desde julho de 2003, quando as parcelas para essas respostas registraram resultados de 35,5% e de 22,9%, respectivamente.   O ICI é composto por dois indicadores. O primeiro é o Índice da Situação Atual (ISA), que caiu 8,8% em outubro, ante taxa negativa de 0,9% em setembro. O segundo componente do ICI é o Índice de Expectativas, que apresentou queda de 14,5% em outubro ante retração de 3,5% em setembro. Na comparação com outubro do ano passado, houve quedas de 13,9% e de 13,8%, respectivamente, para o índice de Situação Atual e para o indicador de Expectativas.   O levantamento para cálculo do índice foi entre os dias 1 e 27 desse mês, em uma amostra de 1.101 empresas informantes.   Utilização da capacidade   O Nível de Utilização de Capacidade Instalada (Nuci) da indústria, sem ajuste sazonal, alcançou patamar de 86,3% em outubro. A FGV aproveitou o anúncio do índice de confiança para atualizar resultados recentes de nível de capacidade instalada. Em comunicado, a fundação esclarece que, no mês passado, o nível, sem ajuste, também registrou resultado de 86,3% - embora tenha anunciado resultado de 86,4% para o Nuci daquele mês.   Ainda de acordo com a fundação, na série de dados com ajuste sazonal, o nível de uso de capacidade em outubro ficou em 85,1%, abaixo do Nuci imediatamente anterior nessa série histórica (trimestral) referente a julho deste ano (85,8%).   Na série mensal elaborada pela FGV para o índice, sem ajuste sazonal, o Nuci registrado em outubro foi o menor desde julho desse ano, quando atingiu patamar de 86,1%.

Mais conteúdo sobre:
Crise Financeira Crise nos EUA Indústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.