Presente para Dia dos Pais está 30% mais caro

O valor médio do presente do Dia dos Pais deste ano é 30% maior em relação ao da mesma data de 2003, já descontada a inflação do período. Sondagem da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio SP) revela que os filhos estão dispostos a gastar, em média, R$ 51 até domingo. No ano passado, o gasto médio foi de R$ 37, que, corrigido pela inflação, equivale a R$ 39 hoje. "Esse acréscimo confirma a recuperação da renda, do emprego e a maior oferta de crédito", afirma a diretora da Assessoria Econômica da Fecomércio SP, Fernanda Della Rosa. Por conta disso, a expectativa da entidade é de que as vendas do Dia dos Pais deste ano cresçam entre 3% e 4% em relação à mesma data de 2003.No Dia das Mães, o acréscimo foi de 3,6% ante 2003.Ela ressalta também que cresceu do ano passado para este a parcela de consumidores dispostos a gastar mais de R$ 70 no presente. Em 2003, eram 9,69% e neste ano, 30,28%. No entanto, a enquete, que consultou 800 pessoas na capital, mostra que 45% dos entrevistados pretendem ir às compras. No ano passado, essa fatia era maior: 54%. Fernanda observa que a queda não é tão significativa, pois, na prática, trata-se de uma intenção que acaba mudando na última hora por causa dos apelos publicitários. De toda forma, os pais que se preparem. A pretensão de ganhar neste domingo relógio e óculos, presentes mais caros, pode se resumir numa camisa ou camiseta. A pesquisa da Fecomércio indica que há um desencontro entre os desejos dos pais e a intenção dos filhos. Camisas e camisetas respondem por 22% das intenções de compra dos filhos, seguidos por CD e DVD (11%). Já 10,5% dos pais querem ganhar relógio e óculos e só 6% camisas e camisetas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.