Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Preservar lago de hidrelétrica coloca em risco abastecimento de água

Operador Nacional do Sistema precisa segurar água para resguardar o nível da barragem da Hidrelétrica de Três Marias e evitar que ela seque até setembro; medida, porém, compromete a captação do município de Pirapora, em Minas Gerais

Alexa Salomão, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2014 | 02h08

O município de Pirapora, em Minas Gerais, passa por uma situação singular - pode ter o abastecimento de água prejudicado para que o lago da hidrelétrica de Três Marias não seque antes das chuvas do próximo verão. A usina é da Cemig, mas quem coordena o volume de água na barragem é o Operador Nacional do Sistema (ONS), órgão responsável pela gestão do sistema elétrico nacional.

"Nossa situação não faz o menor sentido", diz Esmeraldo Ferreira Santos", diretor-presidente do Sistema de Abastecimento de Água e Esgoto de Pirapora. "A prioridade do uso da água é o abastecimento humano." O município precisa construir a toque de caixa um novo sistema de captação de água. O atual, que se abastece no Rio São Francisco, há cerca de 50 anos, só funciona quando o volume de água do Velho Chico corre acima de 250 metros cúbicos por segundo (m³/s).

Esse volume pode ser regulado pelas comportas da hidrelétrica de Três Marias, a 120 km rio acima da cidade. Por determinação do ONS, esse volume deve cair para 150 m³/s a partir de 1.º de junho, mas o município diz não ter como cumprir o prazo. O ONS, por sua vez, declarou à prefeitura que precisa tomar a providência para preservar o lago da hidrelétrica.

Sem água. Barragens de hidrelétricas são como caixas de água. Numa ponta entra a água de um rio. Na outra, a água desce pelas turbinas, gerando energia, retornando ao rio. O nível do lago varia de acordo com volume que entra e o volume que sai.

Segundo simulações apresentadas pelo ONS à prefeitura de Pirapora, sem a redução, no fim do mês de setembro (mais precisamente dia 25), o lago de Três Marias estará completamente seco. Se o volume for reduzido, o lago terá de 5,5% a 6 % de água em novembro, quando começam as chuvas de verão.

Segundo especialistas ouvidos pelo Estado, que não querem ser citados, a barragem de Três Marias vive uma situação complicada. A quantidade de água do São Francisco que entra é hoje menor do que a quantidade que sai na outra ponta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.