Presidente argentino mantém ameaça de não pagar FMI

O presidente da Argentina, Nestor Kirchner, indicou que mantém sua ameaça de não honrar o pagamento de US$ 3,1 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira, de acordo com a agência local Diarios y Noticias.Anteriormente, Kirchner disse que apenas faria o pagamento se o FMI sinalizar que irá aprovar a segunda revisão de metas do atual acordo de crédito com o país sul-americano.Questionado se seguiria com a ameaça de default, Kirchner respondeu: "tudo já foi dito", de acordo com a agência Diarios y Noticias. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.