Presidente chinês diz que país enfrenta novos problemas

O presidente da China, Hu Jintao, afirmou ontem que o país enfrenta "uma série de novos problemas" que se colocam como obstáculos ao rápido crescimento da economia, incluindo a manutenção da estabilidade social. A declaração foi feita em discurso realizado durante o 60º aniversário da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CPPCC), um órgão do Partido Comunista. O evento faz parte do calendário de comemorações do 60º aniversário da República Popular da China, em 1º de outubro.

ANA CONCEIÇÃO, Agencia Estado

21 de setembro de 2009 | 11h08

Durante o discurso, Hu também disse que a democracia ao estilo ocidental não é uma opção para o país e acrescentou que a China está empenhada em manter o crescimento forte da economia em meio à crise econômico-financeira mundial. "Devemos olhar os frutos da civilização política da humanidade para desenvolver uma democracia socialista, mas não devemos, de maneira alguma, imitar os sistemas políticos ocidentais", afirmou.

Hu pediu que os membros do CPPCC promovam a unidade do país, que tem 1,3 bilhão de habitantes. O 60º aniversário da república comunista chinesa ocorre em um período delicado para o país, com conflitos étnicos em Xinjiang, uma vasta região no noroeste chinês, e protestos de massa realizados com cada vez mais frequência. No sábado, o Banco do Povo da China (banco central) disse que as medidas de estímulo e a moderação no afrouxamento da política monetária tiveram um "impacto pronunciado" na capacidade do país de promover estabilidade e crescimento econômico durante a crise.

O BC chinês não forneceu uma perspectiva de como será sua atuação nos meses à frente, mas enfatizou que vai aderir à direção traçada pelo Partido Comunista chinês. O comitê central do partido disse na sexta-feira que a manutenção do crescimento é a tarefa mais importante do momento e que continuará a seguir uma política monetária moderadamente frouxa e uma política fiscal ativa. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacrescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.