Themba Hadebe / AP
Themba Hadebe / AP

entrevista

E-Investidor: "Juro baixo tira o dinheiro dos rentistas e leva para as empresas", diz CEO da Valora

Presidente chinês volta a defender cooperação e condenar protecionismo

'Trazemos uma mensagem clara de apoio ao multilateralismo', disse Xi Jinping em discurso na África do Sul

Felipe Frazão, enviado especial, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2018 | 09h27

JOANESBURGO - O presidente da China, Xi Jinping, voltou a defender, nesta sexta-feira, 27, a cooperação comercial entre os países emergentes e também a condenar o protencionismo e o unilateralismo em seu último discurso na 10ª Cúpula dos BRICS, na África do Sul.

O presidente da China pregou união entre nações emergentes, que compartilham o desafio do desenvolvimento. "Somos mais compreensivos uns com os outros e mais propensos a nos ajudar mutuamente. A China é o maior país em desenvolvimento do mundo e está comprometida a apoiar outros países em desenvolvimento", disse ele. 

Xi Jinping declarou que "é preciso tornar a ordem internacional mais justa e mais igual". Ele destacou parcerias chinesas com países africanos, aos quais chamou de "irmãos", como investimentos em programas de segurança alimentar no continente.

Em meio a uma disputa comercial com os Estados Unidos, o chinês afirmou que "conflitos geopolíticos, protencionismo e unilateralismo vêm aumentando" e causa um "efeito cascata" que pressiona a economia global.  "Trazemos uma mensagem clara de apoio ao multilateralismo", disse.

Xi Jinping manifestou o desejo da China de aumentar o grupo de países convidados pelo BRICS - algo que ainda enfrenta resistências - e disse que é preciso buscar a cooperação numa escala mais ampla. "A China gosta disso", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.