Presidente da Abrinq diz que BC caiu na armadilha que criou

Contrariando a voz quase unânime de empresários e mesmo de alguns integrantes do governo, Synésio Batista, presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq) e diretor do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), afirma que agora não é o momento de o Banco Central (BC) baixar os juros. "O BC é prisioneiro daquilo que ele criou. Ele não tem saída técnica neste momento, em decorrência do momento político", justificou o empresário em entrevista ao Conta Corrente, da "Globo News". O empresário afirmou que essa redução deveria ter sido feita há seis meses, quando o ambiente político era mais favorável. Agora, essa atitude poderia provocar um ataque ao real. "Não há clima, não há ambiente para uma redução. A redução agora sinaliza para os dólares externos uma tendência e vai todo mundo embora", advertiu. "E a gente não teria controle sobre uma evasão, que seria quase que um ataque à moeda."Para ele, o segundo semestre será ruim para o comércio e a indústria. "Uma coisa é certa, nós começamos o ano programando um PIB de 5%, baixamos para 4%, já estamos em 3,8% e, certamente, teremos que falar em 2%. Com 2% do PIB não há ambiente para aumentar preços e aumentar vendas", ponderou Synésio Batista. "Não vemos ambiente para se falar em euforia de crescimento", acentuou. "Sem ser pessimista, o segundo semestre tem tudo para dar errado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.