Presidente da AIG pede que bônus sejam devolvidos

Edward Liddy diz que ''concorrência de mercado'' exigiu pagamentos a executivos e Fed sabia que seriam feitos

Agências Internacionais, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2009 | 00h00

Em testemunho para um comitê formado por indignados legisladores e irados contribuintes, o presidente executivo da seguradora American International Group Inc. (AIG), Edward M. Liddy, disse ontem que "a fria realidade da concorrência de mercado" o levou a pagar a polêmica quantia de US$ 165 milhões como bônus a vários de seus executivos. E que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sabia. Entenda a polêmica dos bônusO depoimento provocou uma tempestade política. "Tudo o que fizemos foi em parceria com o Federal Reserve", disse Liddy. "Eles têm a habilidade de determinar algo a favor ou contra sobre tudo em discussão." Liddy acrescentou que a AIG conversou sobre isso com o corpo de dirigentes e com representantes do Fed por três meses. Para Liddy, a melhor forma de recuperar o dinheiro é dos contribuintes era manter a atividade da empresa. Diante da repercussão negativa, Liddy pediu aos executivos que receberam bônus acima de US$ 100 mil que voluntariamente devolvam pelo menos metade do dinheiro. Em comunicado, ontem, o procurador-geral do Estado de Nova York, Andrew Cuomo disse que a proposta da AIG é "muito pequena" e chegou "muito tarde". "O povo americano tem o direito de saber o que está acontecendo com as enormes somas do seu dinheiro. O sr. Liddy precisa entender isso."A AIG pagou em média mais de US$ 1 milhão em bônus a 73 funcionários, revelou na terça-feira Cuomo. Onze nem estão mais na seguradora - algo que o próprio Liddy chamou de "repugnante." O maior bônus foi de US$ 6,4 milhões. A AIG recebeu do governo federal US$ 170 bilhões em ajuda desde que a crise financeira estourou no ano passado. Ainda na noite de terça-feira, o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, disse que se os US$ 165 milhões não fossem devolvidos aos contribuintes, os restantes US$ 30 bilhões, a serem liberados pelo governo dentro do pacote de resgate, seriam cancelados.As revelações enfureceram o presidente Barack Obama, que ontem reforçou sua "indignação" e disse que pedirá ao Congresso a aprovação de uma legislação que dê ao governo maior poder regulatório em instituições financeiras. Obama afirmou que é "escandaloso" que o governo tenha de "limpar o que foi feito pela AIG". "Mas igualmente escandalosa é a mentalidade de que essas bonificações são um sintoma, uma mentalidade de avareza excessiva, de compensações excessivas, de adoções de riscos excessivas."Mais de 80 pessoas compareceram à audiência. O representante Barney Frank, democrata que encabeçou o comitê de Serviços Financeiros da Câmara, advertiu que não toleraria tumulto. Mas um grupo de manifestantes levantou cartazes pedindo cadeia aos executivos da AIG.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.