Coluna

Fabrizio Gueratto: como o investidor pode recuperar suas perdas no IRB Brasil

Presidente da AIG pede que funcionários devolvam bônus

O presidente da empresa seguradora AIG disse nesta quarta-feira que tentava desesperadamente prevenir a companhia de um colapso quando permitiu o pagamento de 165 milhões de dólares em bônus, o que tem levantado críticas massivas da opinião pública.

EMILY KAISER E CORBETT DALY, REUTERS

18 de março de 2009 | 17h40

Edward Liddy, que assumiu o posto de presidente-executivo da American International Group em setembro, quando o governo se inclinou para o primeiro de uma série de resgates, afirmou que pediu aos funcionários que receberam mais de 100 mil dólares em bônus que devolvessem ao menos metade do valor.

"Os americanos estão pedindo simplesmente: por que pagar alguma coisa a essas pessoas?", disse Liddy a um subcomitê da Câmara dos Deputados. "Aqui está o porquê: Eu estou tentando desesperadamente prevenir um colapso incontrolável desses negócios."

Liddy disse que alguns empregados já devolveram seus bônus inteiramente. Outros que receberão gratificações deixaram a empresa.

A AIG tem despertado a ira da opinião pública, de políticos e do presidente dos EUA, Barack Obama, por aceitar até 180 bilhões em ajuda do governo e pagar bônus multimilionários.

Liddy afirmou que os pagamentos foram necessários para reter funcionários com conhecimento especializado para lidar com 2,7 trilhões de dólares em complexas apólices de seguro que terminaram puxando a empresa para a beira do colapso no ano passado.

A fúria com relação aos bônus ameaça minar os esforços do governo Obama para solver a crise de crédito e tirar a economia de uma recessão profunda. Ele disse que deve pedir ao Congresso recursos além de um pacote de resgate de 700 bilhões de dólares aprovado em outubro.

"As pessoas estão certas por estarem irritadas. Eu estou irritado", Obama disse nesta quarta-feira.

Muitos eleitores veem os resgates financeiros como distribuição livre para executivos de alta renda que tomaram decisões ruins, e os bônus gordos alimentaram essa raiva.

"É moralmente repreensível e fiscalmente irresponsável esperar que bônus em dinheiro devolvam a saúde a uma corporação gigante", disse a democrata Carolyn Maloney.

Outro democrata, Paul Hodes, classificou o incidente da AIG como "arrogância, incompetência e ganância".

Em linha com o sentimento popular, vários democratas e republicanos no Congresso querem forçar a AIG a revelar detalhes sobre os bônus e propuseram taxá-los tão pesadamente que os beneficiados poderiam ficar com nada.

Tudo o que sabemos sobre:
CRISEAIGCONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.