Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Presidente da Alerj vê possibilidade de impeachment de Pezão

Jorge Picciani (PMDB) afirmou que dois documentos comprovam crime de responsabilidade na gestão no governador

Vinícius Neder, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2017 | 14h26

RIO - O presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), elevou o tom das críticas contra o governador Luiz Fernando Pezão, seu correligionário. Na semana passada, Picciani já havia criticado a gestão de Pezão e a resistência do Ministério da Fazenda em aceitar a homologação do plano de recuperação fiscal do Rio, em entrevista ao Broadcast. Nesta quinta-feira, 22, em entrevista à rádio CBN, Picciani disse ver possibilidade de impeachment de Pezão.

"O crime de responsabilidade está agora textualizado em dois documentos", disse Picciani à CBN. Segundo o deputado, os documentos são o parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que recomendou a rejeição das contas de 2016 do Executivo, e a resposta formal do governo a um ofício enviado pela Alerj, que comprovaria irregularidades nos repasses orçamentários aos poderes independentes, como Legislativo e Judiciário.

"Isso quer dizer que eu terei que analisar eventuais pedidos de impeachment que já tramitam e outros que podem tramitar com esses elementos de outra forma, mas primeiro quero ver as contas votadas", disse Picciani, lembrando que o parecer do TCE precisa ser primeiro analisado em comissões da Alerj para então ser votado no plenário.

++ Impasse sobre teto de gastos trava recuperação fiscal do Rio

Picciani, conhecido por ter o controle da base do governo na Alerj, não poupou críticas a Pezão e ao governo federal, como já havia feito semana passada, quando chamou o governador de "desastrado". Segundo o cacique peemedebista, o governo federal "não está cumprindo sua parte" e Pezão é "incompetente, não saber argumentar e não tem força política".

"Quem pode ajudar a resolver isso é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e a bancada federal, que tem força junto ao presidente Temer, se não, o terceiro escalão do Ministério da Fazenda vai impedir", disse à CBN.

ENTENDA: Em busca de alívio de R$ 62 bi, Rio entrega plano de recuperação fiscal

As negociações entre o governo fluminense e a União em torno da homologação do plano de recuperação fiscal estão travadas num impasse em torno da exigência de que Pezão aprove uma lei estadual de controle de gastos. Picciani é contra um teto de gastos. Com a resistência da Alerj, Pezão passou a ser contra também, mas tem enfrentado resistência no Tesouro Nacional.

"Se nada disso for suficiente para o governo federal respeitar o Rio de Janeiro, só vai restar o governo Temer ter a coragem de fazer a intervenção aqui, porque o Rio não pode ficar nesse descontrole na área da segurança e na área da saúde, ou vamos fazer o impedimento. E, para fazer o impedimento, vamos enfrentar o governo federal", disse Picciani à CBN. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.