Presidente da Anac e Dilma discutem alternativas para passageiros

O presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, e seus diretores se reuniram durante parte desta quarta com a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e discutiram alternativas de vôos para os passageiros da Varig no caso de a empresa paralisar suas atividades. A situação da Varig é considerada gravíssima pelo governo, que está preocupado com tumultos que podem ocorrer se a empresa aérea efetivamente suspender seus serviços. Nada deverá acontecer, no entanto, durante os feriados da Semana Santa. Mas setores do governo consideram que o futuro da Varig é incerto a partir da próxima semana. Todas as outras empresas aéreas já apresentaram ao governo seus planos de emergência de operação, chamados por alguns de planos de contingência, para ocupar a lacuna que poderá ser deixada pela Varig. A TAM e a Gol são as que têm mais capacidade, hoje, de suprir o mercado substituindo a Varig em rotas internas. A expectativa do governo é de que, em três dias, no máximo, os problemas gerados no mercado interno sejam solucionados. Mas, no caso das rotas internacionais hoje operadas pela Varig, as conseqüências são mais graves, porque as demais companhias brasileiras não têm como atendê-las, e o processo de substituição dos vôos por outras empresas brasileiras demoraria pelo menos um mês. Esse prazo seria fatal para a aviação brasileira pois, neste período, a credibilidade das companhias aéreas estaria atingida, e as estrangeiras teriam ocupado o mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.