Joédson Alves/EFE
Joédson Alves/EFE

Presidente da Caixa diz a contatos ter sido hackeado e troca número de celular

Pedro Guimarães afirma que dados como endereços, telefone e placas de carro foram vazadas na rede; ele ainda diz que sua família recebeu ameaças

Camila Turtelli, O Estado de S. Paulo

19 de julho de 2020 | 17h40

BRASÍLIA - O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disparou mensagens para seus contatos do celular neste domingo, 19, dizendo ter sido hackeado e, que por isso, iria parar de usar o atual número de telefone. Guimarães disse aos contatos que foram vazadas informações como endereços, telefones, placas de carro e e-mails. Além disso, ele teria recebido ameaças à sua família.

Guimarães afirmou, em suas mensagens, que os dados não foram obtidos da Caixa e associou a invasão a criminosos que fraudaram o auxílio emergencial. “Hoje descontinuarei o uso deste número. Descobrimos que vários dados pessoais meus foram vazados por hackers que fraudaram o Auxílio Emergencial e não estão mais conseguindo, dado todas as medidas que tomamos”, escreveu Guimarães pelo WhatsApp, por volta das 13h30 deste domingo.

Como o Estadão/Broadcast mostrou no mês passado, uma série de fraudes em saques e pagamentos com recursos do auxílio emergencial levou a Caixa a um prejuízo de mais de R$ 60 milhões, segundo apurou a reportagem. Falhas na poupança digital e no aplicativo Caixa Tem, entre outras brechas, permitiram a criminosos acessarem as contas dos beneficiários e usar o dinheiro. O valor do desfalque seria suficiente para pagar a cota de R$ 600 do benefício a mais 100 mil brasileiros.

A Caixa respondeu à época que atuava “com inteligência, prevenção e combate a fraudes e adota as melhores práticas e ferramentas de mercado para proteção de suas aplicações de forma a proteger seus clientes e beneficiários". Segundo o banco, as áreas de segurança realizam monitoramento e mapeamento contínuo de seus sistemas, em colaboração com os órgãos de segurança, com o objetivo de coibir movimentações indevidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.