Jose Cruz/Agência Brasil - 24/7/2019
Jose Cruz/Agência Brasil - 24/7/2019

Presidente da Caixa diz que não há nenhuma política de redução de empréstimos para o Nordeste

Reportagem do 'Estado' feita com base em números da própria instituição e do Tesouro Nacional mostra que o banco reduziu a concessão de novos empréstimos para a Região este ano

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2019 | 10h24

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que o banco não tem uma política de redução de empréstimos para o Nordeste. “A Caixa é um banco matemático. Já conversei internamente. Não existe nenhum direcionamento. Isso não existe. Somos o banco de todos os brasileiros”, disse o executivo, em entrevista à rádio CBN na manhã desta sexta-feira, 2.

A fala de Guimarães se refere à reportagem publicada nesta sexta pelo Estado que mostrou que o banco reduziu a concessão de novos empréstimos para o Nordeste neste ano, com base nos números da própria instituição e do sistema do Tesouro Nacional. A região teria recebido R$ 89 milhões, somatório de dez operações, que representam 2,2% do total de R$ 4 bilhões liberados até julho, volume menor do que em anos anteriores.

Segundo Guimarães, o valor desembolsado pela Caixa para o Nordeste “não chega nem perto deste número e é da ordem de 20% a 30% do que tem sido desembolsado” pelo banco. Explicou, contudo, que a liberação de recursos sofre influências sazonais e que a concessão de recursos leva em conta os ratings dos Estados, ou seja, a qualidade de risco de cada, e ainda as garantias atreladas. O banco, conforme ele, não empresta a Estados sem garantia.

Os desembolsos são diferentes das contratações porque estão relacionados a contratos que foram firmados em anos anteriores. A Caixa não respondeu sobre os números de contratações neste ano.

“Neste momento, inclusive, estamos analisando empréstimos relevantes para cidades e Estados do Nordeste de um volume muito maior do que de outro. Não tem nenhuma política. Pelo contrário”, rebateu o presidente da Caixa.

Ele ainda citou o programa Caixa Mais Brasil, que consiste em visitar por 40 fins de semana estados Brasil afora e que foi iniciado justamente nas regiões Norte e Nordeste do País. “Claramente, a Caixa é o banco de todos os brasileiros e foca nisso, que é fundamental, em especial dos mais carentes. Isso é um acaso. Não é a realidade”, concluiu Guimarães.

Guimarães não falou com o Estado nesta sexta. Na quarta-feira, 31, ao saber do teor da reportagem, ele prometeu conceder uma entrevista na quinta-feira, 1.º. O banco, porém, apenas enviou uma nova nota. Nela, afirmou que as contratações (novas concessões) apresentam “sazonalidade” e variação ano a ano, “dependendo ainda do número de pleitos recebidos bem como da aprovação dos ritos anteriormente relacionados”. Segundo o banco, de R$ 2,8 bilhões desembolsados neste ano para Estados e municípios, R$ 706 milhões foram para o Nordeste, “número expressivo em âmbito nacional”.

Explicação em viva-voz para jornalistas

O presidente Jair Bolsonaro contestou nesta manhã a reportagem do Estado. "Houve um equívoco nessa informação. As prefeituras do Nordeste são as mais inadimplentes e a Caixa precisa de garantias para poder emprestar", disse.

Ao ser questionado sobre a reportagem, Bolsonaro ligou para Guimarães e colocou no viva-voz para que os jornalistas que o aguardavam na saída do Palácio da Alvorada pudessem ouvir a explicação.

O presidente da Caixa respondeu que "não existe nenhuma indicação para não favorecer uma região ou outra". "Este ano liberamos muito mais dinheiro para a Região Nordeste. O que acontece é que você tem uma série de esteiras de análise. Neste momento, estamos analisando inclusive para o Estado da Paraíba e para o município de São Luís (MA)", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.