José Cruz/Agência Brasil
José Cruz/Agência Brasil

Caixa diz que dobrará equipe que atende NE

Presidente prometeu ampliar área responsável pela análise de projetos para a região

Mariana Haubert e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2019 | 12h56
Atualizado 08 de agosto de 2019 | 22h40

BRASÍLIA - Depois de ser cobrado pela menor participação da Região Nordeste nos empréstimos fechados neste ano para Estados e municípios, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, prometeu a parlamentares da bancada nordestina dobrar a equipe responsável pela análise dos projetos para a região, além de criar um grupo de trabalho para acompanhar as operações.

As promessas foram feitas para cerca de dez deputados e seis senadores que se reuniram na sede do banco estatal nesta quinta-feira, 8, pela manhã.

O encontro foi uma tentativa de Guimarães de apaziguar os ânimos com os nordestinos após reportagem do Estadão/Broadcast ter revelado que a Caixa reduziu a concessão de empréstimos para a região.

A reportagem revelou que, de janeiro a 30 de julho, o banco tinha fechado R$ 89 milhões em operações para o Nordeste, o equivalente a 2,2% do total para todo o País (R$ 4 bilhões). Em 2018, o Nordeste tinha 21,6% de participação do total das contratações. Um ano antes, 18,6%.

De acordo com o coordenador da bancada do Nordeste na Câmara, deputado Júlio César (PSD-PI), Guimarães admitiu que, após a publicação da reportagem, houve uma aceleração nas autorizações dos empréstimos para o Nordeste e o porcentual chegou a 8%. “Pedro se comprometeu a focar na região”, disse o deputado.

Até segunda-feira, do total de R$ 4,7 bilhões de operações que o banco fechou, R$ 270 milhões foram para o Nordeste (o correspondente a 6%). Para os prefeitos e governadores do Sul, foram fechados R$ 2,6 bilhões em operações (46% do total). O Sudeste ficou com 35%; o Centro-Oeste, com 7%; e o Norte, com 6%.

Auxílio

De acordo com parlamentares que participaram do café da manhã, Guimarães afirmou que o efetivo do banco que faz a análise dos projetos para a região fará uma força-tarefa também para ajudar os municípios que não conseguem se enquadrar nas regras para a concessão dos empréstimos. “Quem não faz o dever de casa não pode ser premiado. Mas, nesse caso, o caminho não é punir, é buscar esforços para auxiliar essas prefeituras para que elas consigam acompanhar o desenvolvimento do país, porque muitas vezes elas são muito pobres e não têm recursos suficientes para se adequarem”, afirmou o deputado João Roma (PRB-BA).

Em relação às taxas cobradas pelo banco para o repasse de emendas parlamentares, Guimarães sinalizou que vai estudar uma redução, mas não disse de quanto poderia ser. Hoje, a Caixa cobra entre 4% e 12%, dependendo do valor da emenda.

Grupo de trabalho

O deputado Silvio Costa Filho (PRB-PE) publicou em sua página no Twitter que o banco vai criar ainda um grupo de trabalho para apresentar, nos próximos dias, um conjunto de medidas e ações para ampliar as operações de crédito para o Nordeste.

De acordo com os parlamentares, a conversa foi amena, mas eles fizeram cobranças. Guimarães também explicou a eles a sua ligação afetiva com a Região Nordeste – sua mulher é baiana. Em um gesto de agrado aos presentes, foram servidos alguns pratos regionais, como cuscuz com ovo, canjica e tapioquinha.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou na terça-feira requerimento para ouvir o presidente da Caixa sobre as diretrizes para a concessão de empréstimos para Estados e municípios da Região Nordeste. Já a Comissão de Finanças e Tributação da Câmara deverá votar na semana que vem um requerimento de convocação de Guimarães para que ele preste explicações sobre os empréstimos.

De acordo com o líder do PSB, Tadeu Alencar (PE), há disposição do colegiado para aprovar o requerimento, mas ele deverá ser transformado em convite. “Ele já conversou com parlamentares por duas vezes, então, acho que ele não se oporá a vir à Câmara explicar a questão. Aqui é o foro adequado”, disse.

Evolução dos empréstimos

No início do mês, reportagem do Estadão/Broadcast mostrou que a Caixa havia reduzido a concessão de novos empréstimos para a Região Nordeste este ano. O levantamento foi feito com base nos números do próprio banco e do sistema do Tesouro Nacional.

Em 2019, até o dia 30 de julho o banco autorizou novos empréstimos no valor de R$ 4 bilhões para governadores e prefeitos de todo o País. Para o Nordeste, foram fechadas menos de dez operações, que juntas totalizam R$ 89 milhões, ou cerca de 2,2% do total – volume muito menor do que em anos anteriores. No ano passado, a região recebeu R$ 1,3 bilhão, o equivalente a 21,6% dos R$ 6 bilhões fechados pela Caixa em operações para governos regionais. Em 2017, foram R$ 7 bilhões, dos quais R$ 1,3 bilhão foi direcionado para governadores e prefeitos nordestinos (18,6% do total).

Para justificar a queda na participação do Nordeste no total de empréstimos aprovados este ano, a Caixa afirmou que as contratações das operações apresentam “sazonalidade ao longo do exercício”. Mas, desde a reportagem, seis novos empréstimos para municípios, dois da Bahia e um do Piauí, entraram no sistema, totalizando R$ 48,3 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.