EFE/EPA/CHRIS RATCLIFFE
EFE/EPA/CHRIS RATCLIFFE

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Presidente da China ataca ação protecionista dos Estados Unidos

Na cúpula do Brics, na África do Sul, Xi Jinping afirma que o mundo enfrenta uma escolha entre a ‘cooperação e o confronto’

Felipe Frazão, enviado especial, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2018 | 23h11

O presidente da China, Xi Jinping, disse nesta quarta-feira, 25, que o mundo enfrenta “uma escolha entre cooperação e confronto” em meio a uma guerra comercial com os Estados Unidos, sobre a qual ele alertou que não haverá vencedor. “Aqueles que buscam hegemonia econômica só vão acabar se machucando”, disse Xi durante o encontro anual do Brics, bloco de países que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – sede da reunião deste ano.

“Unilateralismo e protecionismo estão aumentando, dando um duro golpe ao regime multilateral de comércio”, acrescentou ele, criticando a escalada tarifária promovida pelos EUA contra produtos chineses e outros parceiros comerciais. Apenas algumas horas antes, o presidente americano, Donald Trump, acusou a China de táticas “viciosas” no âmbito comercial, ao tuitar que o país estava se direcionando especificamente aos agricultores americanos com tarifas retaliatórios porque “eles sabem que eu os amo e os respeito”.

De acordo com Xi Jinping, “a atual ordem internacional não é perfeita”, mas não deve ser descartada “desde que seja baseada em regras, seja equitativa e busque resultados com ganhos mútuos como seus objetivos”. Durante o encontro do Brics, ele disse, ainda, que está “diante de uma escolha entre cooperação e confronto, entre abertura e uma política de portas fechadas”.

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, também expressou preocupação com “o aumento de medidas unilaterais que são incompatíveis com as regras da Organização Mundial da Comércio (OMC)” e são especialmente prejudiciais para países em desenvolvimento.

Temer. O presidente do Brasil, Michel Temer, aproveitará a participação na 10.ª Cúpula do Brics, para fazer reuniões bilaterais com o presidente da China, Xi Jinping, e com o presidente sul-africano. Os dois encontros foram confirmados nesta quinta-feira, 26: o primeiro pela manhã, e o segundo à tarde. Temer discursará também na abertura da reunião plenária da cúpula.

Conforme a Presidência, acompanham o presidente no voo à África do Sul os ministros da Agricultura, Blairo Maggi; dos Transportes, Valter Casimiro; da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge; e da Casa Civil, Eliseu Padilha. O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, virá em voo separado. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, já está na cidade.

Ainda nesta quinta Temer participará à tarde de uma cerimônia de assinatura de atos e memorandos, como o acordo para instalação de uma sede do NDB, o Banco do Brics, em São Paulo, que deverá funcionar a partir de 2019. O presidente ainda tem agenda em aberto ao longo do dia.

Na sexta-feira, antes de retornar ao Brasil, Temer participará de discussões sobre o futuro do Brics, no encontro chamado Retiro dos Chefes de Estado e de Governo do Brics. Depois, vai se reunir com presidentes e primeiros-ministros de países convidados, como Argentina, Jamaica e Turquia, além de uma série de países africanos: Angola, Botsuana, Etiópia, Gabão, Lesoto, Madagáscar, Malauí, Ilhas Maurício, Moçambique, Namíbia, Ruanda, República Democrática do Congo, Seychelles, Senegal, Tanzânia, Togo, Uganda, Zâmbia e Zimbábue. Ele descartou inaugurar um centro de treinamento da Embraer no país, segundo a Presidência. / COM ASSOCIATED PRESS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.