finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Presidente da Fiesp volta a criticar gastos públicos

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, voltou a atacar os elevados gastos públicos do governo, ao deixar a audiência pública sobre negociações internacionais, das Comissões de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara.Skaf insistiu que o Brasil deve mudar o ciclo mantido nos últimos 20 anos, no qual os gastos públicos foram expandidos às custas da elevação da carga tributária de 20% para 40% do PIB."O gasto público é o nosso câncer. Por conta disso, temos os juros mais elevados do mundo e uma taxa de câmbio que diminuiu a competitividade das nossas exportações", disse. "Temos condições sim de entrar numa rota de crescimento sustentado mas não com esse nível de gastos e com essa taxa de juros". Skaf informou ainda que a Fiesp deverá contratar consultorias para estudar essa questão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.