bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Presidente da GE abre mão de bônus

Com lucro menor e ações em queda, Jeff Immelt desiste de US$ 11,7 milhões

, O Estadao de S.Paulo

19 de fevereiro de 2009 | 00h00

O presidente executivo da General Electric (GE), Jeff Immelt, abriu mão de seu direito de receber um bônus de US$ 11,7 milhões relativo a 2008, diante da queda do lucro e do valor das ações do conglomerado. O executivo tem um salário base de US$ 3,3 milhões por ano. No ano passado, ele recebeu um bônus de US$ 5,8 milhões.Em comunicado, Immelt informou que a direção da empresa tomou essa atitude por causa do desempenho ruim da empresa. O lucro da companhia teve queda de 22% no ano passado em relação a 2007, com a crise global atingindo diretamente a divisão industrial do grupo e também o seu braço financeiro, o GE Capital. As ações da empresa perderam mais da metade do seu valor no ano passado, e estão ainda 33% mais baratas este ano - são negociadas hoje a níveis não vistos desde meados dos anos 90."Os ganhos vieram bem abaixo da nossa expectativa. O mercado de capitais global, e o preço das ações da GE, caíram significativamente em 2008. Nessas circunstâncias, eu disse ao Conselho do grupo que não poderia receber um bônus por 2008", disse Immelt.O diretor financeiro do grupo, Keith Sherin, e o presidente executivo da GE Capital, Michael Neal, vão receber bônus 15% e 25% menores, respectivamente, que os do ano passado. Os dois executivos também abriram mão de metade dos ganhos com prêmios de desempenho de longo prazo, o que significa uma redução de US$ 2,6 milhões, no caso de Sherin, e de US$ 2,9 milhões, no caso de Neal. Na média, a GE reduziu os pagamentos dos bônus a seus executivos em 19%.EM CADEIAVárias empresas que também não obtiveram bons resultados em 2008 tornaram pública a decisão de não pagar bônus aos executivos. O presidente do Citigroup, Vikram Pandit, já anunciou que ele e os diretores do banco renunciaram aos bônus de 2008. Ele explicou que, em razão das dificuldades do banco e da injeção de recursos do Tesouro dos EUA, os diretores mudaram os princípios de remuneração. A AIG reduziu o pagamento a seus executivos do primeiro escalão, incluindo o salário de US$ 1 em 2008 e 2009 para o CEO Martin Sullivan.Um levantamento da consultoria Mercer mostra que 70% das empresas nos Estados Unidos pretendem alterar as políticas de bônus e incentivos no curto prazo, e 73% mudarão as políticas de longo prazo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.