Presidente da Infraero reclama taxa de Vasp e Varig

O presidente da Empresa de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), Carlos Wilson, comunicou nesta sexta-feira ao ministro da Casa Civil, José Dirceu, as dificuldades que a empresa está enfrentando por causa do atraso nos pagamentos das taxas aeroportuárias pela Varig e pela Vasp. Advertiu ainda que a falta de recursos poderá afetar até mesmo a segurança de vôo."A taxa aeroportuária não é só usada para a modernização dos aeroportos. Ela se destina também à compra de equipamentos de segurança para a navegação aérea, que poderá ficar comprometida com a falta de recursos, em decorrência do não pagamento das dívidas por estas duas companhias aéreas", afirmou.O ultimato à Varig e à Vasp, foi endossado pelo Planalto, onde Carlos Wilson esteve reunido com José Dirceu, relatando a situação da Infraero, e a sua preocupação com a falta de investimentos na segurança aérea por causa da inadimplência.Uma das principais queixas do presidente da empresa é que a Varig, por exemplo, "está operando de forma rentável" e, ainda assim, não repassa à Infraero o valor referente às taxas aeroportuárias. Por isso, a partir de primeiro de novembro, a Varig, assim como a Vasp, hoje, não voará mais se não pagar antecipadamente e diariamente as taxas aeroportuárias. Até lá, a dívida da Varig com a empresa chegará a R$ 118 milhões, somente referente a atrasos de pagamentos deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.