Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Presidente da Infraero volta a criticar privatização

A cinco dias de passar o cargo de presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) ao brigadeiro-do-ar e diretor da Infraero Cleonilson Nicácio Silva, Sérgio Gaudenzi voltou a criticar duramente o projeto de privatização dos aeroportos brasileiros e explicou o motivo de seu pedido de demissão. "Eu disse ao ministro (da Defesa, Nelson Jobim): ''Eu não vou ter entusiasmo nenhum em comandar um processo (as privatizações) com o qual eu não concordo''", afirma. "Como eu não sabotaria uma decisão do governo, achei por bem pedir meu afastamento." Gaudenzi concorda que a Infraero é "altamente burocratizada" mas afirma que a simples venda dos aeroportos "não é o caminho." "Sugeri a abertura de capital da empresa, algo da forma como funciona a Petrobrás", conta o presidente demissionário. "Começamos a elaborar estudos que indicavam que essa seria uma boa alternativa para oxigenar a empresa. Apesar disso, o governo decidiu seguir a linha da privatização."De acordo com Gaudenzi, o modelo de venda dos aeroportos, em vez de melhorar a malha aeroviária, tende a colocar em risco boa parte da infra-estrutura do setor no País. "Hoje, administramos 67 aeroportos, dos quais dez dão lucro, dez operam em equilíbrio e 47 dão prejuízo", afirma. "Essa maioria é formada por aeroportos que não têm como deixar de ser deficitários e têm de continuar existindo. Em Tefé (AM), o aeroporto é praticamente a única forma de as pessoas chegarem e saírem", exemplifica.O administrador explica que é dos recursos provenientes dos aeroportos lucrativos que sai a verba para financiar as obras nos terminais menores. "Toda a operação da Infraero funciona bem por causa do caixa único da empresa", afirma. "Se a gente começa a vender os aeroportos grandes, que dão lucro, como o de Viracopos, em Campinas, e o do Galeão, no Rio (que já contam com projetos de privatização), ficamos sem ter como operar os deficitários."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.