Presidente da Petrobrás diz que "medidas são unilaterais e não amistosas"

O presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, disse hoje que a empresa vai "tomar as medidas necessárias, em todas as instâncias", para preservar os investimentos na Bolívia, ameaçados após a publicação do decreto da nacionalização, hoje, pelo presidente Evo Morales. O duro texto elaborado pelo governo boliviano surpreendeu a direção da estatal, que havia retomado as negociações com os bolivianos há duas semanas. "Foram medidas unilaterais e não amistosas", afirmou o executivo, que antecipou sua volta ao Brasil para avaliar a questão com o governo brasileiro e técnicos mais próximos das atividades no país vizinho.Gabrielli chegou a Houston hoje pela manhã, para participar da Offshore Technology Conference (OTC), feira mundial de tecnologia de petróleo. Foi surpreendido no fim da manhã com a publicação do decreto e voltou ao Brasil hoje à noite mesmo. Durante almoço com jornalistas na capital texana, não parava de conversar ao telefone com assessores no Brasil e na Bolívia. "A principal preocupação é garantir o fornecimento de gás ao mercado brasileiro", disse em entrevista no fim da tarde, após reunião com seus sócios na Refinaria de Pasadena.Petrobrás espera que o contrato de importações atual, que prevê o envio de até 30 milhões de metros cúbicos por dia, seja mantido, mas Gabrielli disse que o decreto deixou muitas dúvidas sobre o que significará a nacionalização.O diretor internacional da companhia, Nestor Cerveró, procurou tranqüilizar o consumidor brasileiro de gás, afirmando que os volumes atuais serão mantidos. "Essa é a nossa principal preocupação. Estamos falando de 50% do mercado brasileiro", reforçou Gabrielli. Caso as negociações com o governo Morales não sejam bem sucedidas, a empresa tem a alternativa de partir para arbitragem internacional para evitar o rompimento dos contratos sem indenização.Petrobrás divulga nota oficialA Petrobrás divulgou hoje à noite nota sobre a decisão do governo boliviano de nacionalizar as reservas de gás do País: "A Petrobrás vem a público comunicar que na data de hoje, 1º. de maio, o governo da Bolívia, em atitude unilateral, emitiu decreto que altera substancialmente as condições regulatórias e de operação da indústria de energia naquele país.A Petrobras comunica ainda que está analisando as ações do governo boliviano para adotar as medidas cabíveis, em todas as instâncias, no sentido de garantir o fornecimento de gás para o mercado brasileiro e de resguardar os direitos da Companhia."(Matéria alterada às 21h10)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.