MARCOS DE PAULA/AGENCIA ESTADO/AE
MARCOS DE PAULA/AGENCIA ESTADO/AE

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Presidente da Petrobrás fica sem luz e reclama para principal executivo da Enel

Castello Branco ficou sem energia elétrica em sua casa na Serra fluminense e escreveu e-mail ao presidente do grupo italiano que controla distribuidora do Rio; empresa se defendeu de críticas

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2020 | 17h01

RIO – Num momento de descanso das responsabilidades da Petrobrás, o presidente da empresa, Roberto Castello Branco, se viu contrariado em ter o fornecimento de energia elétrica interrompido em sua casa de serra de Nogueira, em Petrópolis (RJ), e enviou uma reclamação por e-mail diretamente ao presidente da Enel, Nicola Cotugno, como antecipou a coluna Radar, da revista Veja. A empresa italiana controla a distribuidora de energia elétrica local e, em nota ao Estadão/Broadcast, rebateu as críticas.

No texto, Castello Branco dá dicas de como seu colega deve dar um "choque de qualidade" na concessionária e diz que amigos do setor privado e do governo concordam que a Enel oferece um serviço ruim em todo o País.

O presidente da Petrobrás inicia a carta contando que nos fins de semana e feriados costuma ir a Nogueira, quando não está viajando para o exterior. Mas que, como cliente da Enel, não teria boas notícias para Cotugno.

"Desde que sua empresa assumiu a concessão, assistimos a deterioração gradual da qualidade do serviço, alcançando uma condição totalmente inaceitável", afirma. Diz também que os atuais padrões se aproximam daqueles do período em que a distribuição era estatal. E que "há até uma certa raiva disseminada contra a Enel."

"Como executivo de negócio, meu conselho a você é que reaja à imagem ruim e providencie um choque de qualidade", complementa. Para, em seguida, dizer que a Enel está prejudicando a imagem da Itália entre os brasileiros.

Momento delicado

A mensagem de Castello Branco foi enviada a Cotugno num momento delicado para a Enel. Em Goiás, o governador Ronaldo Caiado (DEM) tem recorrido ao governo federal para que a italiana entregue a concessão da Celg-D.

Em resposta, a Enel argumenta que tem cumprido todos os compromissos de investimento. Anteriormente administrada pela Eletrobras, a Celg-D possui um histórico de deficiências no fornecimento e prejuízos financeiros. Na sua privatização, em 2016, a Enel foi a única a apresentar proposta de compra à estatal.

Sobre a interrupção do fornecimento de energia em Petrópolis, na região onde o presidente da Petrobrás costuma passar suas horas livres, a Enel, por meio de sua assessoria de imprensa, respondeu ao Estadão/Broadcast que estatísticas comprovam melhora na qualidade do serviço prestado em Nogueira.

Segundo a concessionária, de 2016 a 2019, o DEC (indicador que reflete a duração média das interrupções) e o FEC (frequência médias das interrupções) melhoraram 52% e 53%, respectivamente.

Na nota oficial, afirma ainda que o condomínio onde mora Castello Branco tem árvores centenárias e que a queda dessas árvores costuma prejudicar o abastecimento. "Cabe ressaltar que a gestão da vegetação interna é atribuição dos condomínios e que a gestão da vegetação na cidade cabe à administração pública municipal", acrescenta.

Procurada, a Petrobrás não respondeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.