Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Presidente da Riachuelo pede desculpas por criticar procuradora

Nas redes sociais, Flavio Rocha lamentou ter criticado procuradora do Ministério do Trabalho por ação contra terceirização

O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2017 | 13h03

O presidente da Riachuleo, Flavio Rocha, pediu desculpas à procuradora do Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Norte, Ileana Mousinho nesta quinta-feira, 21, após se manifestar contra uma ação que pede R$ 37,7 milhões de indenização à varejista por terceirizar a produção com condições trabalhistas piores que as dos funcionários diretos da empresa.

Rocha  havia usado as redes sociais para convocar uma manifestação em frente ao Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Norte. Em postagem direcionada à procuradora Ileana Neiva Mousinho, o executivo diz que ela persegue a companhia. “Ao nos expulsar do nosso próprio Estado, a senhora nos obrigou a construir nossas fábricas em outros Estados e países, que nos recebem com o respeito que merece quem cria empregos e riqueza. A iniciativa é toda dela. É uma coisa pessoal”, diz, ao citar “visão marxista” como razão para a suposta perseguição. Nas redes sociais, o empresário acusa a procuradora de “ódio” e diz que “todo o mal” que ela tem causado à companhia “recai sobre os trabalhadores”. 

Ele diz que o piso salarial do setor tem como referência o salário mínimo e os valores são semelhantes na fábrica própria, nos arredores de Natal, e nas pequenas confecções terceirizadas. 

Mais tarde, Rocha se desculpou com a procuradora, também pelas redes sociais. "Ao defender os interesses da Guararapes Confecção, não quis atingir a honra da procuradora. Se fui enfático nas críticas foi porque o que está em jogo é o emprego de milhares de pessoas." Ele, no entanto, manteve sua posição em relação à terceirização. "Reafirmo, no entanto, minha posição a favor de práticas trabalhistas mais modernas, já aprovadas pela recente reforma, em linha com o que se pratica na grande maioria dos países." / COM FERNANDO NAKAGAWA E DAYANNE SOUSA

Mais conteúdo sobre:
Varejo Terceirização

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.