Presidente da Rússia chega hoje ao Brasil

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, chega hoje a Brasília, vindo do Chile, onde participa da reunião do Fórum de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico (Apec). O desembarque está previsto para às 21h30, na Base Aérea. Esta é a primeira visita de um presidente russo ao Brasil e está prevista a assinatura de vários memorandos de entendimento, mas não haverá, segundo o Itamaraty, anúncios sobre a ampliação do limite permitido para a entrada de carne brasileira no mercado russo, nem sobre a suspensão do embargo à carne, em vigor desde setembro. O encontro do presidente Putin com Lula será na segunda-feira às 11h20, no Palácio do Planalto. Após o encontro haverá almoço no Itamaraty e o presidente russo embarca, às 15 horas para o Rio de Janeiro, onde cumpre agenda privada."A agenda dos presidentes é aberta e é claro que o tema da carne, que é prioritário para o Brasil, estará entre os assuntos tratados", disse a diretora do Departamento de Europa do Itamaraty, embaixadora Maria da Graça Carrion. Ela afirmou, no entanto, que este é um tema que vem sendo negociado no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC). Ela informou que o Brasil não vai condicionar o pleito russo do apoio brasileiro à entrada do País na OMC à ampliação da cota da carne. "O Brasil apóia inteiramente o ingresso russo na OMC. A Rússia é um parceiro da maior relevância e o ingresso na OMC vai ser muito bom, não só para o Brasil, mas para o comércio mundial", disse. A questão do embargo da carne, segundo a embaixadora, está sendo analisada pelos técnicos do Serviço Federal de Supervisão Veterinária e Fitossanitária da Rússia, que estão em Brasília desde o início da semana, e a suspensão vai depender dos resultados da inspeção. A carne representa 45% da pauta das exportações brasileiras para a Rússia e vem seguida do açúcar, com 40%. As exportações brasileiras até agosto chegaram a US$ 1 bilhão, e as importações, a US$ 482,7 milhões, com saldo positivo para o Brasil de US$ US$ 541,7 milhões. Em 2003, o comércio entre os dois países atingiu US$ 2 bilhões e o esforço do governo brasileiro é pela ampliação desse volume para a casa dos US$ 6 bilhões até 2006, com a diversificação de mercadorias e concentração de produtos de alto valor agregado. O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, realiza, desde o ano passado, missões comerciais a Moscou, com a intenção de abrir o mercado para áreas têxtil, de moda e calçados. Em agosto, o Moda Brasil-Rússia levou, pela primeira vez ao país, alguns dos maiores estilistas brasileiros, que voltaram no mês seguinte para participar do Russian Fashion Week. As informações são da Radiobrás.

Agencia Estado,

21 de novembro de 2004 | 11h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.