Presidente da Satyam é preso na Índia

O fundador e presidente da indiana Satyam Computer Services, B. Ramalinga Raju, foi preso ontem pelo departamento de investigação criminal da polícia do Estado de Andhra Pradesh, na Índia. No início desta semana, Raju admitiu que fraudes contábeis foram praticadas pela Satyam durante vários anos. O diretor da polícia de Andhra Pradesh, S.S.P. Yadav, afirmou que "Ramalinga Raju foi preso por ter violado vários artigos do Código Penal Indiano". Rama Raju, cofundador e diretor administrativo da empresa - e que é irmão de Ramalinga Raju -, também foi preso. O presidente da Satyam admitiu esta semana que vinha fraudando há anos o balanço da companhia, num escândalo que vem sendo comparado ao da americana Enron. Segundo Ramalinga, cerca de US$ 1 bilhão, ou 94% do caixa da empresa, declarados no final de setembro simplesmente não existem. Com a confissão, as ações da empresa desabaram - o valor de mercado caiu de US$ 7 bilhões para US$ 330 milhões -, e o grupo enfrenta uma crise sem precedentes. O conselho da Satyam, ou o que restou dele após vários conselheiros terem apresentado sua renúncia, se reúne hoje para avaliar quais são as alternativas para a empresa - que podem englobar o convite a um investidor estratégico ou financeiro, assim como decidir o que fazer com o balanço do quarto trimestre, que deve ser publicado neste mês."Há uma grande questão acima de tudo isso. Nós não sabemos qual o modelo de negócio que eles têm agora", disse Amar Ambani, vice-presidente de pesquisas da corretora Infoline. "Eles têm feito empréstimo para pagar salários, o que significa que não têm caixa nenhum", acrescentou.A empresa atua no Brasil desde 2005, com dois centros de desenvolvimento, localizados em São Paulo e Londrina (PR). No total, são 150 empregados no País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.